Seleção brasileira de handebol feminino chega nesta quinta-feira em Belém

A seleção brasileira de handebol feminino chega em Belém nesta quinta-feira, dia 24 de novembro, para um período de treinamentos antes da disputa do Torneio Quatro Nações de handebol feminino. A competição vai ser realizada nos dias 1, 2 e 3 de dezembro, na Arena Guilherme Paraense, com as seleções de Brasil, Eslovênia, Cuba e Uruguai. As demais equipes chegam na próxima terça-feira, dia 29. O campeonato é uma realização da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) e da Federação de Handebol do Estado do Pará (Fhepa), com apoio do governo do Estado do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel). A entrada para a competição será um quilo de alimento não perecível.

O evento vai abrir oficialmente o calendário da seleção brasileira após os Jogos Olímpicos Rio 2016. Após chegar até as quartas de final nas Olimpíadas, o Brasil se renovou com jogadoras que atuam em países como França, Hungria, Alemanha e Polônia, além de atletas de São Paulo e Santa Catarina. O técnico Morten Souback vai testar a nova formação do time neste II Torneio Quatro Nações.

A secretária da Seel, Renilce Nicodemos, pede por um grande envolvimento de estudantes no evento. Para ela, o handebol é uma modalidade de natureza escolar e de fácil adaptação por parte dos alunos. “Queremos mostrar para os nossos estudantes que por meio do esporte é possível construir um novo momento em suas vidas. As jogadoras brasileiras serão as porta-vozes desse momento. O Brasil vive um momento muito importante, de renovação da equipe depois dos jogos olímpicos do Rio, por isso, nós queremos fazer uma festa linda, com muito carinho e hospitalidade”, disse a titular da Seel.

A arena Guilherme Paraense está recebendo os preparativos para o torneio. O piso especial já foi montado e os assentos estão sendo numerados. Os serviços de limpeza e manutenção seguem normalmente, conforme informações da diretora Cláudia Moura, que também está finalizando os preparativos de transporte, segurança, hospedagem e acomodações especiais às Seleções do Brasil e do exterior. “A marca paraense é da alegria, da hospitalidade, então, vamos receber a seleção com muito carinho”, disse.

A Seleção Brasileira já está escalada para jogar em Belém com Gabriela Moreschi “Gabi”, goleira; Samira Rocha, ponta esquerda; Raphaella Priolli, armadora direita; Tamires Moreno de Araújo, pivô; Ana Paula Rodrigues Belo, central; Jéssica Quintino, ponta direita; Barbara Arenhart “Babi”, central; Ligia Costa Maia da Silva, pivô; Deborah Hannah Nunes, central; Franciele da Rocha “Fran”, central; Eduarda Amorim “Duda”, armadora esquerda; Larissa Faiz Munhoz Araújo, ponta esquerda; Bruna de Paula, armadora direita; Jéssica Silva de Oliveira, goleira; Bruna Gonçalves Rodrigues, ponta direita; Juliana Malta de Araújo, armadora esquerda.

Segundo informações do site da CBH, a seleção está renovada e começa um novo trabalho a partir desse torneio internacional em Belém. A expectativa da jogadora Barbara Arenhart, a Babi, é a melhor possível. “Estamos ansiosas para este torneio que abre nosso caminho para uma nova da Seleção”, disse em entrevista ao site da CBH. Em Belém, a Seleção vai se preparar para o torneio a partir da próxima sexta-feira, 25, com agenda no Mangueirinho.

Para o técnico da seleção brasileira, Morten Soubak, o torneio e o período de treino em Belém, a partir do dia 24 de novembro, serão bem aproveitados para a preparação do grupo, renovado após as Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016: "O nosso trabalho será um recomeço. Temos que renovar em vários aspectos, não somente porque várias atletas de alto nível não estão mais disponíveis para a Seleção. Temos que pensar no estilo que estávamos jogando e nos aprofundarmos nas novas regras que foram implantadas para os Jogos do Rio e que devem permanecer", disse o treinador ao site da CBHb. Ele pretende avaliar os novos rumos da equipe: "Vamos dar chance para algumas atletas jovens e outras que fizeram parte do trabalho, mas que não ficaram na equipe para as Olimpíadas. Vamos pensar muito nas características de cada uma e, possivelmente, criar outro jeito de jogar, de acordo com esse perfil, pois o anterior era muito baseado nas atletas que estavam", afirmou Morten.

 

Foto: Cinara Piccolo / Photo&grafia