Seel exibe na I Feira Existir ações de apoio às pessoas com deficiência

O técnico de esporte e lazer da Secretaria de Estado de Esporte Lazer (Seel) e coordenador do programa Paradesporto, da Seel, Ewerton Souza, afirmou que a Secretaria levou para a I Feira Estadual Existir as ações da Seel de incentivo ao paradesportismo, de inclusão social e de apoio às pessoas com deficiência. A Seel exibiu estas ações em seu estande montado na Feira Existir, a “I Feira de Ações Integradas à Pessoa com Deficiência e II Feira Paraense de Tecnologia Assistiva, Acessibilidade e Inclusão Social da Pessoa com Deficiência”, que foi aberta na segunda-feira e encerrada hoje e realizada de forma paralela ao V Fórum de Tecnologia Assistiva e Inclusão Social da Pessoa com Deficiência. O evento é promovido pelo Governo do Estado, por intermédio de NAC (Núcleo de Articulação e Cidadania) e Núcleo de Estudo e Desenvovimento de Tecnologia Assistiva e Acessibilidade da Uepa (Universidade do Estado do Pará).

“A Seel faz parte do comitê gestor do Plano Existir do governo do Estado e estamos mostrando aqui na Feira as ações da Secretaria de incentivo ao paradesportismo, quando apoia as entidades, clubes e os próprios paratletas para que os mesmos possam participar das atividades ligadas ao seu esporte a nível internacional, nacional, regional e até local. Além do programa Bolsa Talento que, no total, possui 31 bolsistas e fomenta a inclusão social através do apoio às pessoas com deficiência. A Feira também é importante por conseguir integrar todas as ações do governo voltadas para a pessoa com deficiência”, afirmou Ewerton Souza.

A diretora do Departamento Técnico de Esporte e Lazer (Dtel) da Seel, Kátia Rocha, “A Seel exibe neste evento as atividades que desenvolve de apoio a paratletas, eventos e também com o programa Paradesporto, que consiste no desenvolvimento do esporte adapto em todas as 12 regiões de integração do Estado. Além de esclarecer à comunidade sobre como a Seel pode apoiar eventos, atletas e programas.”

Meive Piacesi, coordenadora do Plano Existir, afirmou que a feira tem uma “importância muito grande para toda a sociedade. No mesmo espaço temos pessoas interessadas, profissionais, estudantes, empresários que trouxeram equipamentos de última geração para mostrar tudo que existe em tecnologia assistiva. Independente do tipo de deficiência, é possível ter uma qualidade de vida melhor. Temos também mais de dez órgãos do governo apresentando seus projetos, programas e serviços. Temos quatro universidades . O conjunto de pessoas que está aqui torna isto coletivo e torna uma necessidade de que a gente mostre para a população tudo que existe e já é oferecido à comunidade, que pode ser acessado, mas que nem todos conhecem.  São diversos mecanismos que ajudam essas pessoas a romperam com barreiras.”

Thiago Nascimento, de 30 anos, que faz parte da Associação All Star Rodas, equipe de basquete paralímpico que recebe apoio da Seel,  falou sobre a importância da prática esportiva emsua vida: “O esporte na minha vida foi um divisor de águas. Antes eu só ficava em casa e sozinho, mas agora eu tenho uma rotina por conta do esporte, com treinos, competições e viagens. Pude conhecer outros lugares e me socializar melhor, tive uma melhora não só na minha saúde física, mas também mental. Há 16 anos pratico basquete em cadeira de rodas e este ano pude ser campeão brasileiro com a minha equipe.”

Rafael Brito e Davi Pontes, que também fazem parte do All Star Rodas, também se pronunciaram e agradeceram ao governo do Estado pelo apoio ao paraatletismo no Pará: “Agradeço ao governo do Estado pelo incentivo que tem dado aos paratletas de diversas modalidades e é de grande importância para nós ter esse apoio. Agradeço em nome de todos os meus colegas”, afirmou Rafael Brito. Já Davi Pontes falou sobre sua experiência como paraatleta: “Há quatros anos sofri um acidente de moto que me deixou paraplégico e passei a usar cadeira de rodas, a partir disso, passei por muitos processos. O esporte adaptado vem sofrendo adaptações desde a sua criação, o modelo de cadeira que eu utilizo hoje no paratletismo não é mesmo que era usada antes, em material de alumínio e fibra de carbono. Eu pratico basquetebol em cadeira de rodas e atletismo, o esporte adaptado é muito importante para a pessoa com deficiência e foi através do esporte que eu tive a oportunidade de ter a minha vida de volta junto com o All Star Rodas e o professor Caju. Eu espero que as empresas e pessoas tivessem iniciatiava para fomentar ainda mais o esporte no nosso Estado. Temos atletas de alto rendimento,  de um nível muito alto no cenário nacional, atletas da seleção brasileira que estiveram nas Paralimpiadas de 2016 no Rio. Dentro do Pará o esporte adaptado é muito forte e uma presença muito grande lá fora. Peço que vocês não desistam e que continue incentivando o esporte.”

 

Texto e foto: Antonio Darwich / Ascom Seel