Repórter fotográfico Thiago Araújo é homenageado durante jogo válido pela Copa do Brasil

"Tanto quanto um minuto de silêncio, Thiago Araújo merece nosso aplauso pela eternidade”. Foi com essa frase destacada no placar eletrônico do Estádio Olímpico do Pará que um público de quase 13 mil pessoas assistiu ao início da partida entre Paysandu e Bahia, pela terceira rodada da Copa do Brasil, na noite desta quarta-feira, 15. O repórter fotográfico Thiago Araújo, da Secretaria de Estado de Comunicação (Secom), faleceu no último sábado, 11, vítima de insuficiência hepática.

O local para a homenagem não foi à toa. Thiago tinha uma identificação especial com o Mangueirão, onde cobriu dezenas de clássicos entre Remo e Paysandu, além de jogos pelas mais diferentes competições disputadas por times paraenses. “Thiago desfalca nosso time, mas deixa seu talento e carisma como grandes legados para todos que tiveram a oportunidade de conviver com ele ou simplesmente conhecer seu trabalho. Foi uma homenagem justa e verdadeira”, declarou o titular da Secom, Daniel Nardin.

Nas laterais do gramado, onde os repórteres fotográficos buscam sempre os melhores ângulos, colegas de trabalho lamentavam a ausência de Thiago Araújo. “É uma dor lamentável, mas que aos poucos vai se transformando em lembranças agradáveis por conta de toda alegria e entusiasmo que sempre acompanharam o Thiago”, opinou o repórter fotográfico Raimundo Paccó. A jornalista Dedé Mesquita, que conviveu com Thiago Araújo por muitos anos, também classificou como justa a homenagem. “Eu mesma me empenhei particularmente para que essas fotos fossem exibidas aqui porque o Mangueirão fez parte da vida dele”.

Durante os cinco primeiros minutos de jogo, as fotos de Thiago, autorais e algumas pessoais e de bastidores, foram exibidas no placar eletrônico do estádio. Um release com informações sobre o profissional e a precoce despedida no último sábado também foi distribuído nas cabines. Thiago Araújo tinha 28 anos e deixa uma filha. Além da Secom, trabalhou nos dois maiores jornais impressos do Estado, além de jornais e revistas de circulação nacional. Recebeu prêmios e tem fotografias publicadas em alguns livros de autoria coletiva. A missa pelo 7º dia de falecimento será realizada nesta sexta-feira, 18, na igreja de São Judas Tadeu, no bairro da Condor, às 20h30.

O jogo – Dentro de campo, o Paysandu buscou, contra a forte equipe do Bahia, recuperar a moral diante da torcida depois de duas derrotas no Campeonato Brasileiro da Série B - uma delas foi para o próprio Bahia, há pouco mais de uma semana. Dessa vez, no entanto, o confronto foi pela terceira fase da Copa do Brasil, competição considerada o caminho mais curto para se chegar à Libertadores da América, a mais importante competição entre interclubes, das américas.

O primeiro tempo foi marcado pelo exageros de passes errados da equipe paraense. O Papão acertou a trave do Bahia uma vez, enquanto que os visitantes carimbaram o travessão do goleiro do Paysandu duas vezes. As alterações realizadas pelo técnico bicolor Dado Cavalcante surtiram o efeito esperado e, aos 23 minutos da etapa final, Mizael deixou dois marcadores no chão antes de colocar a bola no fundo da rede e abrir o placar para o Paysandu.

O mesmo Mizael exigiu esforço do goleiro Douglas Pires em chute da entrada da área. Mas logo em seguida, depois da cobrança de escanteio, Fahel desviou a bola sem chances para o goleiro e fez o segundo do Papão. Nem mesmo a expulsão do zagueiro Gualberto, aos 35 do segundo tempo, impediu o bom momento do Papão no jogo. Aos 40 minutos, o árbitro viu toque de mão na defesa do Bahia e marcou pênalti em favor do Paysandu. Yago Picachu cobrou e deu números finais ao jogo.

Com a vitória por 3 a 0, o Paysandu pode até perder por dois gols de diferença na próxima quarta-feira, 22, na Bahia, no jogo de volta, que garante a inédita participação nas oitavas de final da Copa do Brasil. “Vejo essa vantagem como algo que precisa ser guardado nesse momento. O Bahia é um time muito técnico, de uma qualidade acima da média. E se tem uma coisa que eu não posso fazer é me iludir que a vaga está garantida por conta da vantagem. É uma boa vantagem, mas precisamos ir por partes e com calma”, declarou, ao final da partida, o técnico Dado Cavalcante.

Texto: Pedro Paulo Blanco - Secretaria de Estado de Comunicação

Foto: Anderson Silva - Agência Pará de Notícias