Programas de assistência levam dignidade aos idosos

"Quando eu parei de trabalhar, entrei em depressão, e quando eu cheguei aqui, de imediato,  minha vida mudou, me renovei. Os meus 60 anos foram embora, me sinto uma quarentona. Hoje é minha segunda casa". Esse depoimento emocionante é da aposentada Maria Elisa Garrido, 62. Há pouco mais de um ano ela faz parte de um grupo de 3.700 idosos contemplados com o programa Vitalidade, do Hospital Cynthia Charone em parceria com o Governo do Estado, através do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Pará (Iasep).

Há 3 anos o Iasep desenvolve o programa Vitalidade para dar mais qualidade de vida aos idosos segurados do Instituto ou aos pais de servidores segurados. Os idosos contam com o acompanhamento de geriatras, psicólogos, nutricionista, fonoaudiólogos e fisioterapeutas. O objetivo é melhorar os níveis de atenção aos pacientes, evitar internações, trabalhando na prevenção e gerenciamento de doenças crônicas com reabilitação motora e emocional. Além de estimular bons hábitos alimentares, a prática de atividades saudáveis e o controle dos níveis de pressão arterial e de glicose.

"Eles têm muitas perdas. Muitos chegam aqui em cadeira de rodas, impossibilitados de se locomoverem e saem daqui reabilitados. Profissionalmente isso é muito gratificante, o programa é fantástico. Como pessoa e como cristã é uma das coisas mais emocionantes da minha vida, porque eu também me torno responsável por tudo aquilo que eles reconquistaram na vida deles", disse a médica Cynthia Charone, umas das coordenadoras do Programa, que hoje possui 10 polos divididos em três municípios do estado: Belém, Ananindeua e Castanhal.

Entre os mais de 260 mil usuários do plano, mais de 70 mil são idosos. Com esses cuidados, os idosos saem de casa para experimentar novas experiências, e assim, podem evitar a depressão, ficar com o sistema nervoso extremamente abalado e desenvolver qualquer outro tipo de doença. O professor Fernando Cassiano da Costa, 65, participa há dois meses das atividades do Vitalidade. Ele está na fase inicial do projeto, mas já percebe a diferença na saúde. "Eu busquei o programa através de uma propaganda do Iasep. Fiz uma bateria de exames, e agora estou fazendo atividades físicas, ginástica e musculação. Eu melhorei, pois na minha juventude eu não tive tempo de fazer isso, estou correndo atrás do prejuízo, e me sinto muito bem. Isso aqui é fabuloso", contou o professor no momento em que se preparava para a atividade física.

Os interessados em participar do programa devem ter acima de 60 anos. Os agendamentos e consultas são feitos pelo Hospital Oftalmológico Dra. Cynthia Charone, pelos telefones 3352-3700/3085-0817 ou pela clínica de Assistência Médica Geriátrica Especializada, pelo telefone 3241-5945

Vida Ativa - "Vida Ativa na Terceira Idade" é um programa da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), com base na Lei número 8.842, da Política Nacional do Idoso e no Estatuto do Idoso de 2003. Ele é mais um instrumento que traz renovo ao idoso através das seguintes atividades: hidroginástica, natação, caminhada, ginástica, aerodança, dança folclórica, alongamento, voleibol, yoga, xadrez e memorização. Além das atividades físicas, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), oferece atendimentos médicos, odontológicos e nutricionais.

O Vida Ativa já existe há 15 anos e atualmente atende cerca de 2 mil idosos, em 6 polos distribuídos pelos municípios de Belém e Ananindeua. Para se inscrever no programa é preciso ter acima de 50 anos e levar os seguintes documentos: cópia da carteira de identidade, 2 fotos 3x4, comprovante de residência e atestado médico cardiológico.

Os núcleos de inscrição funcionam na Tuna Luso Brasileira (Av, Almirante Barroso, 4110), Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa – Asalp (Rod. Mário Covas. Passagem São Jorge, 21), Estádio Olímpico do Pará (Rod. Augusto Montenegro, Km 3), Clube do Remo (Av. Nazaré, 962) e Hospital Abelardo Santos (Rod. Augusto Montenegro, Km 13. Icoaraci).

Direitos e deveres - O Estatuto do Idoso define medidas de proteção aos indivíduos a partir de 60 anos, além de garantia de diretos e deveres. A Delegacia de Proteção Integral ao Idoso (DPID), que é vinculada à Divisão Especializada de Combate aos Crimes Discriminatórios (DECD) da Polícia Civil do Pará existe há 4 anos e é um forte instrumento na garantia de direitos.

Os números registrados na DECD mostram uma crescente no caso de denúncias. Até agosto deste ano, dos 1.191 casos registrados, 864 geraram procedimento. Em 2014, apenas 684 casos registraram procedimentos. A informação e a divulgação do trabalho dos profissionais da Delegacia fazem esses números crescerem.

Na Delegacia de Proteção Integral ao Idoso só podem ser registrados os casos de crimes previstos no Estatuto do Idoso, como violência física, psicológica, sexual, abuso financeiro e econômico, conflito familiar e vicinal, além de negligência, maus-tratos, conflito conjugal, calúnia, difamação e injúria. "Nosso papel é trabalhar nos crimes contra a pessoa idosa,  previsto no Estatuto do Idoso, de proteção, violação de direitos. Nós fazemos o acolhimento, acompanhamos o idoso, e depois encaminhamos. Quando constatamos a situação de crime fazemos esse devido encaminhamento. Aqui ele tem todo o apoio necessário, além de inúmeros profissionais capacitados para fazer esse tipo de diligência", acrescentou a assistente social da DECD, Simone Cristina Aguiar.

Qualquer pessoa pode denunciar casos de maus-tratos ao idoso. Basta procurar a  Delegacia do Idoso na Rua Avertano Rocha, 417, que está aberta ao público das 8 às 18 horas. Mais informações pelo fone (91) 3222-7564. Ou ainda ligar para o Disque 100 ou 181.

Texto: Tatiane Dias / Secretaria de Estado de Comunicação

Tags: