Paraense conquista medalha de ouro no Sul-Americano de Caratê

A carateca paraense Lívia Vale da Silva, faixa preta de 16 anos, voltou com medalha de ouro do 10º Campeonato Sul-Americano de Caratê, organizado pela JKA (Japan Karate Association). A competição foi disputada na cidade de Santiago, no Chile, entre os 3 e 4 de setembro. Lívia Vale da Silva conquistou o 5º lugar no kata individual, o 3º lugar no kata por equipe, e foi campeã no kumite por equipe. Ela competiu com apoio da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel).

Lívia Vale da Silva é atleta da Academia Machida e é treinada pelo sensei Adalberto Santos desde que começou a praticar o caratê, aos 8 anos. Ela participa de competições desde os 9 anos e o Sul-Americano foi a sua quarta competição internacional (três campeonatos sul-americanos e um mundial), além de já ter disputado 12 campeonatos nacionais. Em 2014, ela foi campeã brasileira no campeonato nacional organizado pela Confederação Brasileira de Karatê-Dô Tradicional (CBKT). Com o título, ela se classificou para a disputa do mundial da Eslovênia, mas não conseguiu competir por falta de patrocínio.

Com mais de 50 medalhas de ouro já conquistadas, a carateca já conquistou cinco títulos nacionais e também é pentacampeã paraense. Em seu primeiro Campeonato Sul-Americano ficou em terceiro lugar no kata e no kumite individual. No segundo sul-americano que disputou foi terceira colocada no kumite individual, campeã no kata por equipe e ficou em segundo lugar no kumite por equipe.

Agora, Lívia Vale da Silva se prepara para a disputa do Campeonato Estadual de Caratê, que será em novembro. No próximo ano, ela vai começar a disputar os campeonatos que serão classificatórios para as Olimpíadas do Japão, de 2020, como o Campeonato Brasileiro da JKA, em Goiânia (GO), que além de contar pontos para o ranking que irá definir a seleção brasileira.

A carateca afirma que, com a entrada do caratê nas Olimpíadas, a partir dos Jogos do Japão de 2020, o esporte vai ganhar uma nova perspectiva: “Muda tudo, a forma da gente enxergar o esporte, muda o nosso foco, o objetivo agora vai para as Olimpíadas. Acho que o sonho de qualquer atleta é o de chegar nas Olimpíadas. E um esporte olímpico abre muitas outras portas. Abre portas de patrocínio, além de dar maior visibilidade para o atleta”. Ela conta que a disciplina do caratê ajuda a conciliar os treinos e viagens com os estudos. “Sempre procuro estudar bastante em intervalos de treinos e de competições, tento me manter sempre com notas acima da média. E o caratê ajuda muito na disciplina, nos ensina a manter o foco, é uma via de mão dupla”, diz Lívia.

Andréia Vale da Silva, mãe e fã declarada de Lívia, afirma que o apoio da Seel tem sido fundamental para a consolidação da carreira esportiva da filha e para a conquista de resultados positivos: “Para o Campeonato Sul-Americano, ela teve apoio da Secretaria com passagem, hospedagem e alimentação. Foi muito importante a Seel ter contribuído para esta viagem, porque sempre é um custo muito alto, a família se une para ajudar, mas é sempre muito difícil. Mas desta vez ela viajou muito mais tranquila porque não teve esta preocupação. Por isso, ela pôde se focar totalmente na competição. Assim, ela conseguiu alcançar bons resultados e ganhar reconhecimento. Todo atleta quer se reconhecido, quer ter visibilidade. Sem apoio, acaba o atleta acaba se desestimulando. Mas, com a ajuda que foi dada pela Seel e garantida para as suas próximas competições, temos ainda maior esperança de novas medalhas”, diz Andréia, que também destaca a união dos familiares  no apoio à carateca: “Muitos atletas acabam desistindo do esporte. Por isso, a família tem que estar do lado, sem a família não consegue. É muito importante este apoio, esta credibilidade. A gente acredita no potencial dela e segue em frente”.