Pará entra de vez na rota dos grandes eventos com Arena Guilherme Paraense, afirma secretária da Seel

O II Torneio Quatros Nações de Handebol Feminino comprovou que o Governo do Estado acertou em cheio em sua aposta de construir em Belém um centro esportivo e cultural de primeira linha, de padrão de qualidade internacional. Além de ser um centro de entretenimento para eventos de alto nível e de polo de formação de novas gerações de talentos esportivos do Pará, a Arena Guilherme Paraense, o Mangueirinho, mostrou logo em no primeiro torneio em que foi sede como um importante centro de atração de divisas para o Estado, de geração de benefícios para os mercados locais com a demanda de serviços e empregos diretos e indiretos.

Para a titular da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), Renilce Nicodemos, a Arena vem consolidar Belém do Pará na rota dos eventos esportivos com estrelas nacionais e internacionais. “Estava na hora de o Pará ser reconhecido como mercado de um filão que não para de crescer. O momento não poderia ser mais propício dado o fim do ano olímpico e a vontade das confederações em popularizar suas modalidades. Para os atletas deixar o eixo Rio-São Paulo também é atrativo, pois somos a Amazônia com seus encantos e sua natureza exuberantes. Esse evento foi sucesso de público e crítica e, eu quero agradecer por todos que colaboraram de forma direta e indireta”, disse a gestora.

O torneio internacional de handebol feminino foi realizado na Arena Guilherme Paraense desde a última quinta-feira (1) até o sábado (3), com as seleções de Brasil, Uruguai, Cuba e Eslováquia. O campeonato foi realizado pela Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) e da Federação de Handebol do Estado do Pará (Fhepa), com apoio do governo do Estado do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer.

O campeonato de handebol aqueceu os mercados locais da hotelaria, transportes, culinária, academia de ginástica entre outros que, segundo a diretora Cláudia Moura, deixou em Belém algo em torno de R$1,5 milhão. “Isso é muito bom, porque a nossa gente é valorizada. Nós, só temos que agradecer ao governador Simão Jatene, por essa obra fantástica”, disse na manhã deste sábado, 3, ao avaliar positivamente o evento.

Inaugurado em 21 de outubro deste ano, o Mangueirinho caiu instantaneamente nas graças do público, de atletas e dirigentes esportivos que se encantam com a beleza, confroto e acessibilidade do local. Desde sua inauguração, a Arena, caracterizada com uma função multiuso, tem agenda especial neste mês de dezembro. Além do II Torneio Quatro Nações de Handebol Feminino, o Mangueirinho receberá um jogo da Superliga de Vôlei Masculino no próximo dia 14, um evento evangélico e depois uma programação de Natal.

Para fazer a Arena Guilherme Paraense funcionar se faz necessário realizar parceria entre órgãos públicos e da iniciativa privada para atender a demanda da segurança, transporte, saúde, higiene e limpeza, trânsito, comunicação, alimentação, entre outros. A média de colaboradores é de 250 a 300 pessoas por dia. Esse número sugere o aumento de geração de emprego e renda direta e indiretamente.

Os maiores exemplos vêm das empresas de higiene, limpeza e manutenção dos equipamentos de elevadores, ar-condicionado, placares e alarmes eletrônicos, sistemas elétrico e hidráulico, além de jardinagem e conservação da quadra.

A cada estadia de atletas, os mercados da hotelaria, aviação e transporte especial também ficam aquecidos. O II Torneio Quatro Nações de Handebol Feminino trouxe para Belém as delegações de Cuba, Eslováquia, Uruguai e do Brasil, com destaque para as jogadoras brasileiras que atuam nos países europeus.

Um grande evento esportivo também mobiliza o mercado da música, culinária, decoração, meio ambiente e academia de ginástica (fitness) e da beleza. No caso do Torneio de Handebol Feminino, as jogadoras mais vaidosas solicitaram serviços de manicure e cabeleireiro para ficarem bonitas nas exibições das imagens para televisão. Os jogos do Brasil foram transmitidos ao vivo pela Sportv - canal fechado de televisão.

O II Torneio Quatros Nações de Handebol Feminino também provou a força da solidariedade dos moradores de Belém. Os ingressos foram trocados por alimentos não perecíveis em dez postos de arrecadação. A participação foi extremamente positiva. Todo material arrecadado será destinado às obras sociais do governo do Estado.

A torcida fez diferença. Desde o primeiro dia da Seleção Brasileira em solo paraense, a movimentação, o carinho e o amor pontuaram as apresentações das meninas em quadra. O Brasil foi campeão do Torneio, mas levou na bagagem o calor de uma torcida apaixonada pelo handebol e por uma seleção que ostenta o título de campeã do mundo.

As atletas receberam a taça das mãos do governador Simão Jatene, que parabenizou a todas pela vitória e pelo belo espetáculo que proporcionaram a todos os paraenses. Ainda durante a premiação a organização do evento entregou o troféu de melhor goleira do torneio para Bárbara Arenhart, do Brasil; de artilheira para a ponta esquerda Samira Rocha, também da equipe brasileira e de melhor atleta para a Martina Skolkova, da Eslováquia.

O Torneio Quatro Nações de Handebol Feminino abriu oficialmente o calendário da Seleção após os Jogos Olímpicos Rio 2016, que na competição terminou entre as oito melhores do mundo. Das 16 atletas da seleção que vieram a Belém, oito estiveram nas Olimpíadas. A partir de agora, a equipe se prepara para o Pan-americano de 2017, ainda em local indefinido.

 

Texto: Ascom/Seel com informações de Selma Amaral (Ascom/Mangueirinho)

Fotos: Ray Nonato