Pará é rota de circuitos de esporte e turismo

O esporte de aventura vem ganhando cada vez mais adeptos no Pará. As rotas estão sendo descobertas aos poucos em circuitos montados nos mais variados pontos do Estado. Perto ou longe da capital, Belém, o que importa para quem organiza os eventos é mostrar o potencial paraense e inserí-lo como etapa dos cinturões nacionais. "O que não falta no Pará são lugares lindíssimos que dão a dimensão do que é natureza pura, vida simples e boa culinária", avalia Livi Gomes, uma praticante de corrida rústica que resolveu investir seu talento em organização de eventos para abrir o filão que ainda está desaquecido no mercado esportivo.

A receita do negócio está sendo construída com apoio público e com participação crescente dos amantes das modalidades que compõem o circuito. Neste domingo, 13, mais de cem atletas de mountain bike, corrida rústica e stand up paddle participaram do Sun&Fun Adventure montado na vila de Caruaru, na ilha de Mosqueiro, e gostaram bastante do que viram.

O circuito foi montado nas trilhas de mato e no rio que circundam o vilarejo. Segundo Bruno Calderon, organizador do evento, a comunidade foi indicada pela Agência Distrital de Mosqueiro, que administra juridicamente o espaço. Os moradores passaram por treinamento para receber os visitantes e não esconderam a animação, já que ganhariam uma renda extra para ajudar no orçamento familiar.

A vila de Caruaru existe há cem anos. O acesso à localidade era feito unicamente de barco até pouco tempo, como conta Humberto Nascimento, de 42 anos, morador da comunidade, onde vivem aproximadamente 120 famílias que se mantêm com o extrativismo do açaí, mandioca e pescado. A vila conta com uma escola, uma capela e um grande salão de festas. "Vivemos tranquilos aqui e receber esse evento foi um prêmio pra gente", disse Humberto, que voltou ao local após tentar levar a vida fora de Caruaru. "Não deu para ficar longe muito tempo daqui. Eu sentia muita saudade e acabei voltando pra casa", completou.

A comunidade de Caruaru está encravada num cinturão verde localizado a 800 metros da rodovia PA-391, que liga Belém a Mosqueiro. Para montar o circuito, os organizadores ganharam apoio da Secretaria de Esporte e Lazer (Seel) e da Secretaria de Turismo (Setur), além da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob) e Guarda Municipal.

"O esforço é conjunto, mas nós vamos conseguir elevar o nome do Pará e inseri-lo no circuito nacional. Por enquanto, o circuito não tem caráter competitivo, os participantes vêm atrás de superação das suas marcas, do seu limite e daquilo que creditam como sendo o melhor para seu bem estar", explicou Livi Gomes, que divide com Bruno Calderon a responsabilidade de organizar e receber o público.

"O apoio da Seel foi fundamental pra gente. A secretária Renilce Nicodemos abraçou a iniciativa de mostrar esse novo filão do esporte paraense e deu à organização a possibilidade de realizar o circuito. Nós estamos em fase de organização e queremos dar o melhor. Mas desde já agradecemos o Governo do Estado por acreditar em nosso potencial e responsabilidade", destacou. Além da Seel, o circuito ganhou apoio da Secretaria de Turismo, que enviou técnicos para avaliar o rendimento do evento. 

Fôlego - Para quem participa de circuitos de esporte de aventura e turismo associados a comunidade de Caruaru foi ideal. As trilhas foram divididas em 15 quilômetros para a corrida rústica; 40 quilômetros para mountain bike e 10 para o Stand Up Paddle.

A primeira largada foi para corrida. Os participantes tiveram de início um obstáculo "surpresa" no qual precisaram se arrastar e pular as cordas até chegar à trilha. Os vencedores foram Jandson Almeida, 27, e Monica Távora, 35. Os dois são corredores de "asfalto", mas gostaram do novo desafio. "Foi excelente, eu gostei muito", disse Mônica. Mesma opinião teve o campeão masculino. "Embota tenha sido a primeira vez, o circuito está aprovado", disse.

Outro participante, Fábio Cabral, também aprovou a corrida. "Eu fiz em uma hora e 45 minutos e se fosse no asfalto esse tempo baixaria", corredor contumaz que alcança até 27quilômetros em quatro dias da semana.

Os circuitos de aventura têm público cativo. As jovens Clivia Portal, Maisa Silva e Alexi Morais não perdem a oportunidade. Elas se preparam bastante para a prova sem esquecer a vaidade feminina, no cuidado com os cabelos e acessórios. "Não podemos descuidar", disseram. "Essa rota de aventura é uma tendência que veio para ficar e nós estamos prontas para acompanhar", completaram as três, já habituadas às corridas de longa distância.

"Gosto de desafios e quando a prova é radical fica mais atraente e maravilhosa", disse Clivia, também admiradora de disputas militares pela força e dificuldade. Outro menos radical, porém com gosto por circuito de aventura é Humberto Josua Filho, 45. Ele destacou que o segmento só tem a crescer no Estado. "Eu já participo de circuitos variados há 16 anos. E temos trabalhos sociais por onde passamos, o que torna tudo ainda mais gratificante", disse.

Programação - O Circuito Sun & Fun Adventure segue com etapas no Marajó, Ilha de Cotijuba e litoral paulista. A etapa do Marajó está sendo organizada com apoio da prefeita Consuelo Castro, do município de Ponta de Pedras. A etapa do Marajó será dia 24 abril e deverá abrir a programação de aniversário da cidade. "Estamos confiantes de que vamos promover um bom evento", disse Livi Gomes. O resultado dos primeiros colocados do mountain bike e Stand Up será divulgado na manhã desta segunda-feira, 14, pela organização do evento.

 

Foto: Carlos Sodré / Agência Pará de Notícia