Operação garante segurança durante a final do 1º turno do Parazão

Remo e Paysandu se enfrentaram pela 734º vez em sua história e a batalha esportiva, ocorrida neste domingo, 6, no estádio Jornalista Edgar Proença (Mangueirão) para decidir a final do primeiro turno do Parazão e a conquista da taça Cidade de Belém. O campeão da partida foi o Paysandu, que após o empate no tempo normal, conseguiu a vitória nos pênaltis com um placar de 4 a 1. 

Para garantir a segurança desta festa antes, durante e depois da partida, a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) garantiu um planejamento envolvendo a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel).

Também participam da organização do trânsito e fiscalização nas dependências do estádio a Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob), Secretaria Municipal de Economia (Secon), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Ministério Público Estadual, Federação Paraense de Futebol, Consórcio BRT e representantes dos clubes.

A partida contou com um público pagante de 15.584 pessoas e uma renda total de R$ 350.265,00. Dentro e fora do Mangueirão, o policiamento contou com cerca de 1100 homens da Polícia Militar para garantir a segurança dos torcedores. A operação também se estendeu para os bairros próximos.

“Nós dividimos o policiamento em três fases. Estivemos desde às 8 horas da manhã em todas as áreas do estádio. A segunda fase do policiamento ocorreu durante o jogo e a terceira após o jogo, com a evacuação e acompanhamento dos torcedores, além do acompanhamento das atribuições de outros órgãos que necessitem do nosso apoio”, explica o major Sidney Profeta.

As tropas foram espalhadas ao longo dos principais trajetos utilizados pelos torcedores, desde São Braz até Icoaraci e também em direção ao município de Ananindeua, com intuito de evitar confronto das torcidas no retorno para casa.

Participaram desta operação o Comando de Policiamento da Capital, Comando de Policiamento da Região Metropolitana, Comando de Policiamento Especializado, Comando de Missões Especiais, Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam), cavalaria, canil, batalhões de Abaetetuba, Castanhal e Guarda Municipal. O Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) e o Batalhão Rodoviário também deram suporte ao jogo.

O esquema de segurança ainda contou com uma delegacia móvel da Polícia Civil, 25 agentes do Detran, 40 agentes da Secon, além de 100 profissionais do Corpo de Bombeiros Militar.

O clássico paraense também foi marcado por duas campanhas que pregavam a paz e solidariedade entre as torcidas. Antes do início do jogo, líderes de torcida e mascotes de ambos os times deram várias voltas no campo para promover a ideia incentivada pelos clubes, pela Federação Paraense de Futebol e Governo do Estado, para diminuir a violência entre as torcidas durante os jogos.

Ao entrar em campo, jogadores do Paysandu e do Remo também participaram de outra campanha e vestiram a camisa dos “Doadores Futebol Clube”, promovida pelo Hemopa, Governo do Estado e Portal Cultura.

Texto: Diego Andrade / Secretaria de Estado de Comunicação