Mangueirão ganha novo sistema de catracas eletrônicas

O Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, ganhou um novo sistema de catracas eletrônicas, o mesmo utilizado nas arenas construídas para Copa do Mundo de 2014. A estreia das novas catracas será no jogo do próximo domingo, dia 29, entre Clube do Remo e Cametá, pela segunda rodada do Campeonato Paraense de Futebol Profissional, o “BanParazão 2017”. O novo sistema opera com dois softwares desenvolvidos pelas empresa Imply, com sede no Rio Grande do Sul.  Um total de 72 catracas já foi instalado, cobrindo todas as bilheterias de acesso ao estádio com tempo de sete de segundos para leitura dos bilhetes. Os últimos testes dos equipamentos foram feitos na manhã desta terça-feira (23).

O novo sistema bloqueia qualquer tipo de tentativa de uso de bilhetes falsificados. O representante e técnico da empresa que está em Belém acompanhando as últimas montagens, Gregori Martins, deverá fazer um teste geral na manhã desta quinta-feira, 26. Segundo o técnico, não há mistério no uso das catracas. O equipamento funciona ao igualmente ao vale-transporte digital ou a carteirinha de meia-passagem dos coletivos, ou seja, basta que o torcedor deposite o bilhete no campo de leitura da máquina para liberar a catraca. O torcedor gastará apenas sete segundos no procedimento.

Todo o conjunto das catracas eletrônicas soma 72 equipamentos. As bilheterias de maior concentração de público receberam 10 catracas, sendo que nos portões B-1 e A-1 foram instaladas catracas para acesso das pessoas com deficiência (PCD’s). A entrada dos sócios torcedores também mudou.  Os que são do Clube do Remo terão acesso pelos portões B-3 e A-2; já os torcedores do Paysandu vão entrar pelos portões B-2 e A-3.

Infra - Segundo o técnico em eletrônica da empresa Imply, Gregori Martins, o Mangueirão, apesar do tempo de construção, é um estádio moderno com facilidade para instalação dos equipamentos. “Não tivemos problemas, o Mangueirão é de fato um estádio bem estruturado e não precisamos modificar e nem criar sistemas eletrônicos porque o local já possuiu uma boa rede tecnológica”, disse Martins.

A empresa fabricante dos softwares das catracas eletrônicas tem tradição no ramo. Segundo explicou Gregori Martins, a Imply também desenvolve e fabrica componentes eletrônicos para placares e painéis utilizados em estádios e ginásios. O mesmo sistema é utilizado na arena do Grêmio (RS), Maracanã (RJ), arena das Dunas (RN) e nas demais arenas construídas no Brasil para Copa do Mundo de 2014. O uso desses softwares coloca o Mangueirão no mesmo nível das praças esportivas de padrão internacional.

Obras – Além da instalação das catracas, o Mangueirão finaliza os preparativos para reabertura da temporada 2017. Segundo a diretora Cláudia Moura, estão sendo realizadas obras de pintura, recuperação do gramado e manutenção dos sistemas elétrico e hidráulico. “Queremos deixar o Mangueirão para pleno uso pela sociedade paraense. O estádio é nosso patrimônio e devemos tratar e cuidar e sempre primando pelo conforto e segurança dos torcedores”, disse a diretora, na manhã desta terça-feira.

Visitas - O Estádio Olímpico do Pará – Mangueirão é também um Centro de Visitação Pública. O projeto é uma parceira da Seel com a Universidade Federal do Pará, por meio do Curso de Turismo, e desde a abertura já foram atendidas 1.900 solicitações. As visitas são monitoradas pelos estudantes da banca de Turismo e acontecem mediante solicitação de escolas públicas, mas também foram recebidos turistas de São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e da região Norte, que segundo a estagiária Dayara Souza, ficam encantados com a arquitetura e o estado de conservação do Mangueirão. O calendário de visitação para 2017 já está aberto. Contatos pelo telefone – 3131-2850 ou visitamangueirao@gmail.com

Texto: Ascom / Mangueirão

Foto: Rodolfo Oliveira / Agência Pará