Mangueirão é um dos melhores estádios do Brasil

O Mangueirão é um dos melhores estádios do Brasil. A avaliação é do Ministério dos Esportes que vai lançar no próximo dia 28, em São Paulo, o Sistema Nacional de Classificação dos Estádios Brasileiros (Sisbrace), uma ferramenta suplementar à ideia de atrair mais torcedores aos gramados. O estudo levou um ano para ficar pronto e visitou 155 estádios de norte a sul do Brasil e as 16 arenas construídas à época da Copa do Mundo. O sistema concede pontuações que vão de uma a cinco bolas, o Mangueirão obteve três bolas, o que na avaliação do coordenador do projeto, Ivan Carlos Mello, é muito bom e coloca o estádio paraense entre os melhores do País. A placa alusiva à classificação será entregue à secretária Renilce Nicodemos e a diretora do Mangueirão, professora Cláudia Moura, que vão viajar para São Paulo e participar da solenidade. O evento vai reunir o ministro dos Esportes George Hilton, o secretário nacional de futebol e defesa do torcedor, Rogério Hamam, além de representantes do mundo esportivo. A notícia sobre a classificação do Mangueirão deixou a secretária entusiasmada. Ela disse, na manhã desta sexta-feira, 22, que a análise do Ministério do Esporte reflete as boas condições técnica e física do Mangueirão, que frequentemente recebe melhorias no gramado, nas instalações internas, pintura e limpeza. "Estamos muito felizes com a notícia e já confirmamos presença na solenidade de lançamento do Sibrace", disse.

O Sistema Nacional de Classificação dos Estádios foi idealizado e executado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. A equipe técnica somou vinte pessoas e avaliou 155 estádios as 16 arenas brasileiras. O tempo foi de um ano entre visitas e trabalho de logística. O mapa ou a radiografia levou em consideração os itens de segurança, engenharia, conforto, acessibilidade, higiene e sustentabilidade. No item segurança também foram avaliados os sub-itens de risco, incêndio e partes de engenharia elétrica. Os resultados que serão lançados dia 28 terão validade de três anos, mas segundo Ivan Carlos, a reclassificação poderá ser pedida a qualquer momento, uma vez que o formulário será disponibilizado via internet semelhante à declaração de imposto de renda. O Sistema, para o Ministério do Esporte, surge como um parâmetro, uma consulta ao torcedor e não vai derrubar a obrigatoriedade legal dos laudos técnicos emitidos pelo Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Vigilância Sanitária entre outros para liberar os espaços à realização de campeonatos regionais e estaduais. "As situações são diferentes. O Ministério do Esporte quer melhorar as condições dos estádios para atrair os torcedores e seus familiares e não impor regras ou punições. O Sistema vai dar a classificação e quem achar conveniente mudar poderá fazê-lo a qualquer momento, uma vez que não há prazo definidos para esse segmento. Posteriormente, o Ministério deverá lançar um portal, no qual haverá um aplicativo para que o torcedor possa consultar a situação do seu estádio da sua cidade", explicou o coordenador do projeto Ivan Carlos.

Ainda sobre a análise didática do Sisbrace, Ivan Carlos disse que cada item tem uma pontuação específica. O de maior peso é o item da segurança e o de menor é o conforto, que segundo ele é variável e depende de cada região. Os estádios que não obtiverem a pontuação máxima, ou seja as cinco bolas, receberão as sugestões dos técnicos para as readequações. "Sabemos que muitos estádios estão em obras, outros licitando serviços de menor porte, de qualquer forma é uma iniciativa para melhoria dos locais e o maior interesse do Ministério do Esporte é buscar essa melhoria para o torcedor", destacou o coordenador do projeto do Sisbrace.

A placa alusiva à classificação de três bolas do Mangueirão, ou três estrelas como os hoteis brasileiros tinham no passado, será recebida pela secretária Renilce Nicodemos no próximo dia 28, em São Paulo. A titular da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) já confirmou presença no evento. "Estamos muito orgulhosos do nosso Mangueirão e vamos continuar trabalhando para que o estádio continue sendo palco das maiores torcidas do Brasil", disse a titular na manhã desta sexta-feira, 22.  

Visitação - Além do estudo do Ministério do Esporte, o Mangueirão também vem sendo preparado para realizar o projeto de visitação pública a partir da parceria entre a Seel e a Universidade Federal do Pará. Os primeiros estudos revelam dados importantes como a história do local. Ainda não há prazo para abertura oficial do Mangueirão para visitação pública, mas os dados da grandiosidade da obra podem ser adiantados ao leitor e torcedor paraense.     

O Estádio Olímpico do Pará Edgar Proença (EOP) foi inaugurado pela primeira vez no dia 3 de março de 1978 com nome de Alacid Nunes, então governador e responsável pela construção da obra. O arquiteto Alcir Meira assinou o projeto. O estádio pertence ao Governo do Estado do Pará e é administrado pela Secretaria Estadual de Esporte e Lazer (SEEL). Em 2001, o estádio passou por uma grande reforma e ganhou a pista de atletismo e reinaugurado em 1º de maio de 2002, como Estádio Olímpico do Pará Edgar Proença, em homenagem ao jornalista paraense. A nova estrutura conta com 45.007 em número total de assentos, 2 telões de LED, 28 bares e 96 banheiros, sendo 62 nas arquibancadas. Para acessar o interior do estádio são disponibilizadas 12 entradas dividas em 6 bilheterias e 6 estacionamentos, sendo um para cada bilheteria. Os estacionamentos contam com 5.076 vagas pra veículos.

O Mangueirão recebe jogos do Campeonato Brasileiro, Copa Verde, Campeonato Paraense, entre outros. Os mais significantes são os clássicos Remo e Paysandu e suas torcidas apaixonadas. O EOP também tem tradição em sediar eventos de atletismo. Depois de sua reinauguração 2002, até 2009 e em 2013, se tornou sede do Grande Prêmio Internacional de Atletismo, onde em 2004 conseguiu atingir a marca recorde de 42.917 (ou 42.640, pesquisar) espectadores presentes. A participação expressiva do público gerou reconhecimento internacional para o estádio e para o evento, uma vez que foi o maior público registrado em uma competição de atletismo da América Latina, trazendo notoriedade para o estádio por sediar um evento não vinculado ao futebol e conseguir uma participação mais que satisfatória da população. "Como palco de grandes manifestações culturais, o incentivo à visitação turística dentro de estádios é hoje um dos nichos mais promissores do turismo urbano, pois incentiva não só o comparecimento de turistas, mas também dos moradores locais", diz parte do texto preparado pelas estudantes Patricia Goes e Rayra Maia da banca de turismo da UFPA e que estão preparando o projeto de visitação pública do Mangueirão.

 

Fotos: Arquivo Agência Pará