Mais um paraense vai lutar no UFC com apoio da Seel

O lutador paraense de MMA, Deivison Alcântara, mais conhecido como “Daico, o Deus da Guerra”, esteve na tarde desta quarta-feira (09/03) na sede da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), acompanhado por seu treinador, José Afonso. Ele vai receber apoio da Seel para a sua estreia no principal torneio de MMA (Mix Martial Arts) do mundo, o Ultimate Fighting Championship (UFC). No dia 3 de junho, Deivison enfrentará o mexicano Marco Beltrán no Rio de Janeiro, pelo UFC 212.

Deivison Alcântara é mais um lutador paraense do UFC a receber suporte da Seel. A Secretaria também já apoiou recentemente o peso leve Michel Trator e os pesos galo Douglas D’ Silva e Iuri Marajó, além do pernambucano radicado no Pará, o meio-pesado Henrique Frankenstein.

Ainda neste mês, Deivison Alcântara vai treinar no Rio de Janeiro, se preparando para a sua estreia. O atleta lutará na categoria peso pena, até 61 quilos.  A luta principal do UFC 212 será a disputa pelo cinturão da categoria peso pena, entre o campeão José Aldo e o desafiante Max Holloway.

Deivison foi contratado pelo UFC após três vitórias pelo torneio Jungle Fight. Ele chega ao maior palco de MMA do mundo com uma impressionante trajetória invicta de 11 vitórias em 11 lutas, sendo cinco por nocaute, cinco por finalização e uma por pontos. Ele começou a lutar aos 12 anos e, aos 16, conheceu Iuri Marajó, que o influenciou a se dedicar também a modalidades como muay thai e jiu jitsu.  Hoje, parte da academia Marajó Brothers e é o atual detentor do cinturão da categoria mosca (até 58 quilos) no torneio de MMA “Salvaterra Marajó Fight”.

O atleta está otimista em relação ao UFC. “A minha expectativa é nocautear. Chegar e dar show. Se for possível, logo no primeiro round. Estou muito feliz com essa oportunidade e conto com a torcida de todos os paraenses e principalmente dos marajoaras. É uma emoção enorme participar de um grande evento e o meu objetivo é trilhar essa carreira e trazer o cinturão para os paraenses”, disse. O seu treinador, José Afonso, reconhece o esforço do atleta para chegar até o UFC.  “Nada mais justo e merecedor do que o reconhecimento dele como atleta, regionalmente, nacionalmente e internacionalmente. Ele tem se esforçado muito”.