Grupo de Escoteiros Campos do Marajó prepara turma de voluntários

O Grupo de Escoteiros Campos do Marajó está preparando uma nova de voluntários para atuar nos eventos comemorativos do calendário cívico, religioso de ações de cidadania e meio ambiente. A turma ainda está em fase de adaptação, quando são necessários atenção e paciência para lidar com o grupo. O treinamento de educação física e lições de meio ambiente acontece na praia Grande, no município de Salvaterra sob a orientação do chefe “Diego”, um ex-soldado militar, que junto com a mãe, a servidora pública Joseane Cabral, resolveram resgatar as atividades do grupo naquela cidade da ilha de Marajó.

O grupo é formado por crianças e adolescentes que veem na prática uma forma salutar de colaborar com a sociedade. Um exemplo do trabalho voluntário, uma vez que a maioria das crianças sofre com a desagregação familiar.  Secretária de Esporte e Lazer, Renilce Nicodemos, vai ajudar na doação dos uniformes, mas quem quiser colaborar pode procurar a coordenação da entidade, em Salvaterra.

História - Segundo Joseane Cabral, os Escoteiros “Campos do Marajó” já existia há muitos anos, mas estava parado por falta de incentivo público. Há dois meses, ela e o filho resolveram retomar os trabalhos. A primeira ajuda veio da direção da escola Zacarias Castro, que abriu as portas para ser a nova sede da entidade. Logo que souberam da reabertura do grupo, dezenas de famílias procuraram o local para fazer a inscrição das crianças, que meio tímidas estão participando das primeiras atividades ao ar livre, nas areias da praia Grande, durante o final de semana. O perfil das crianças, segundo Joseane é meio triste. A maioria é mantida pelos avós. “Tem alguns que a gente não sabe quem é a mãe ou o pai. Elas vêm com os avós”, conta Joseane.

Esse relatório parcial do perfil sócio-econômico das crianças pode resultar em evasão; o que automaticamente também compromete o trabalho desenvolvido. “A ente faz o possível, mas existe essa possibilidade de eles abandonarem o curso antes da formação”, lamenta a coordenadora, que gostaria de mandar fazer logo os uniformes, porém, precisa agudar mais um tempo até as crianças resolverem se ficam ou não. “Vamos esperar, eu tenho esperança que nenhum vai abandonar o curso”, completou.

O município de Salvaterra, na ilha de Marajó, um é um local turístico. A praia impressiona pela beleza e força das águas e dos ventos. O grupo de Escoteiros “Campos do Marajó” vai colaborar diretamente na preservação do local.  E é na praia que as crianças estão recebendo os primeiros treinamentos. No último domingo, 29, elas correram, se rolaram na areia e depois tomaram banho para relaxar. Tudo sob a supervisão dos “chefes” Jean e Diego. “Tentamos ensinar as lições de cidadania, respeito e disciplina, tudo que o escoteirismo orienta”, disse Jean.

As pequenas Yasmim e Irley Modesto Bentes estão no grupo. O desejo em ser escoteiras ainda não está totalmente assimilado por elas, mas o local das primeiras lições, sim. “A praia é muito bonita, estamos gostando muito de tudo aqui”, disseram. O grupo reúne cerca de 50 crianças. Elas vão passar por seis meses de aulas até receberem os uniformes para atuar como escoteiros dos Campos do Marajó. A secretária Renilce Nicodemos vai ajudar na doação dos uniformes. Quem quiser ajudar pode acessar a Assessoria de Imprensa da Seel, telefone 3201-2322.

Tags: