Governo, FPF e clubes acertam detalhes para apoio ao Parazão 2016

Foi realizada nesta sexta-feira (8) a primeira reunião para definir o apoio do Governo do Estado ao Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão 2016. Para debater o tema, participaram do encontro o chefe da Casa Civil, José Megale, a presidente da Funtelpa, Adelaide Oliveira, o presidente do Banpará, Sérgio Amorim, o secretário de Comunicação, Daniel Nardin, a diretora do Estádio Olímpico Edgar Augusto Proença, Cláudia Moura, o vice-presidente da FPF, Maurício Bororó, o deputado estadual Milton Campos e presidentes e dirigentes de todos os clubes da competição. Uma nova reunião acontecerá nas próximas semanas para fechar os últimos detalhes do patrocínio e formalizar o apoio.

Para este ano, o governo propôs manter o mesmo patrocínio aplicado em 2015, sem qualquer redução, mesmo com os impactos da crise econômica nacional. “Todos sabemos o momento crítico que o país enfrenta e todas as dificuldades em todos os setores. Mesmo assim, compreendemos a importância do campeonato não só para os clubes e as torcidas, mas também para as comunidades dos municípios do interior, uma vez que cada partida ajuda a aquecer o comércio local”, destacou José Megale, Chefe da Casa Civil. Uma das novidades deste ano é que um terço do campeonato será jogado em Santarém, na região Oeste do Estado, além de partidas em Belém e em outras regiões.

“Até recentemente nós tínhamos um campeonato praticamente metropolitano, com apenas clubes de Belém, ou até no máximo Castanhal. Hoje temos estes clubes da capital e outros do interior, como Parauapebas, Santarém, Marabá, entre outros. O apoio do governo do Estado possibilita a logística para que o interior se faça presente no campeonato. O futebol também colabora com a integração das regiões do Pará, que com a ampliação do campeonato, possibilita que a população de outros municípios participe e se envolva”, explica José Megale, chefe da Casa Civil.

Sobre o valor do incentivo, Megale destaca o esforço do governo para garantir o mesmo recurso, sem cortes, do patrocínio investido no ano passado nos clubes paraenses. “Hoje nós temos a indicação, feita pelos próprios dirigentes de clubes, que o Pará é o único Estado da federação que apoia da forma como nós apoiamos. O pacote de recursos, que envolve Banpará, Funtelpa e Seel, totaliza quase 8 milhões de reais. Ao contabilizar o custo de manutenção do Mangueirão e da logística de órgãos envolvidos em cada jogo, como agentes de segurança, por exemplo, o custo do Parazão sobe ainda mais. Então, nós entendemos que o Pará tem uma torcida apaixonada e que vamos conseguir manter o patrocínio mesmo com as dificuldades enfrentadas pelo país e agradecemos a sensibilidade dos dirigentes e da Federação em compreender e estar conosco nesse momento”, afirmou Megale.  

O vice-presidente da Federação Paraense de Futebol, Maurício Bororó, atual presidente interino da FPF, elogiou a atuação do governo do Estado no apoio ao campeonato paraense. “O governo sempre foi o maior patrocinador do campeonato. A Federação parabeniza o Governo do Estado e o governador Jatene, pela capacidade de gestão e pela sensibilidade em garantir a manutenção dos recursos mesmo diante da crise”, declarou Bororó.

Os presidentes dos dois principais times paraenses, Remo e Paysandu, elogiaram a postura do Estado ao reunir os clubes e debater os valores e necessidades do campeonato. “Nós parabenizamos o governo do Estado que com toda dificuldade no cenário brasileiro, se posicionou em manter o patrocínio. Temos plena consciência que sem esse apoio o campeonato paraense seria consideravelmente afetado, principalmente no papel de interiorização”, diz Alberto Maia, presidente do Paysandu Esporte Clube.

“Acreditamos que o resultado atendeu a todos os clubes da mesma forma como foi no ano passado. Eu admito que essa atitude do governo de reunir cada vez mais é o mais importante no esporte paraense. Estamos satisfeitos e preparados para lidar com os valores que serão investidos em 2016”, falou Manoel Ribeiro, presidente do Clube do Remo.

O presidente do São Raimundo de Santarém, Alexandre Lopes, fala sobre as expectativas da participação do time na disputa do Parazão. “Vemos Santarém se transformando na cidade polo do futebol paraense. Das dez equipes, três serão de Santarém. Isso gera uma grande expectativa, pois podemos mostrar para a região metropolitana que existe futebol de qualidade no nosso interior na elite futebol paraense, principalmente na região oeste do Pará”, diz Alexandre Lopes.

Transmissão – Desde 2011 os jogos do Parazão são transmitidos, exclusivamente, pela TV Cultura. A abertura do campeonato deste ano será em Santarém, no estádio Colosso do Tapajós, no próximo dia 30. A partida entre Tapajós e São Raimundo será transmitida pela emissora para todo o Estado do Pará, em canal aberto. Este ano, o Parazão contará com dez times: Remo, Paysandu, Tapajós, São Raimundo, São Francisco, Águia de Marabá, Cametá, Paragominas, Independente e Parauapebas.

 

Texto: Diego Andrade / Secretaria de Comunicação

Foto: Sidney Oliveira / Agência Pará