Governador agradece ao povo do Pará pela Arena Guilherme Paraense

O governador Simão Jatene, que participou dos dois dias de eventos que marcaram a programação de inauguração da Arena Guilherme Paraense, na sexta-feira (21) e no domingo (23), afirmou que o principal beneficiado pela obra é também o maior responsável pela sua construção, o povo paraense. Durante a cerimônia de descerramento da placa inaugural da arena, o governador também afirmou que a homenagem a Guilherme Paraense é um agradecimento de todo a população, pelo fato do atleta ter eternizado o nome do Estado com destaque no histórico das conquistas olímpicas brasileiras: “Para ser justo, todo e qualquer agradecimento feito em função dessa arena deve ser feito a cada um e a todos os paraenses, pois essa obra foi construída com o dinheiro do imposto que cada paraense paga. Eu, como governador, me sinto muito feliz de ter contribuído também para que essa obra se realizasse. Que os familiares de Guilherme Paraense recebam essa homenagem não do governo do Estado, mas de um povo que tem entre suas maiores riquezas a simplicidade e o seu amor pela sua terra”, acrescentou.

Fotos: Antonio Darwich (Ascom/Seel)

Após o descerramento da placa inaugural da Arena, o governador entrou na quadra do ginásio ao lado da Secretária de Estado de Esporte e Lazer, Renilce Nicodemos, sendo aplaudido em peso pelo público. Após percorrer a quadra, Simão Jatene foi abraçado por pessoas das arquibancadas e voltou a falar sobre a grandiosidade da obra: “É importante destacar que a Arena Guilherme Paraense foi feita para construir sonhos esportivos e culturais de modo que o povo paraense seja o grande beneficiado. Em sua primeira experiência cultural, o potencial que percebemos é do tamanho que a Arena tem. Nada mais justo que fazer esse tributo à nossa cultura em um local que receberá muitos outros grandes eventos”, complementou o governador.

A Arena Guilherme Paraense foi inaugurada em dois dias de eventos, na sexta-feira (21) e no domingo (23), sempre com a presença do governador. No primeiro dia, o público assistiu programações culturais como a apresentação da banda de música do Corpo de Bombeiros e alunos do projeto Escola da Vida, desenvolvido pela instituição; grupos de carimbó, o time do All Star Rodas, Grupo de São Caetano de Odivelas, além de grupos de hip hop, percussão e coral formados por alunos do Pro Paz e free style, em uma noite de grande celebração do esporte e da cultura paraense. A última atração da noite foi o jogo entre as seleções de campeões olímpicos brasileiros e paraense. Na escalação da equipe nacional, chamada de Embaixadores do Esporte, um time misto de atletas consagrados como Hélia Pinto (Fofão), Marcelo Negrão, Maurício, Nalbert, Sandra Pires, Helbert Oliveira, Maurício Nóbrega, Felipe Raniery e Fabiola Pires. Já a equipe paraense, sob o comando do técnico Edílson “Mingau”, foi representada por Gerson Monte, Elizabeth Matos (Beth), Alex Raposo, Marcelo Seixas (Papinha), Marcelo Santos, Mateus Malta, João Matheus, João Salim, Camila Brandão e Jarbas Simões. A partida terminou empatada em 1 set a 1. O primeiro set foi vencido pelos donos da casa, por 25 a 15. O segundo set contou com a vitória dos Embaixadores, por 25 a 19.

A festa de inauguração do Mangueirinho continuou no domingo (23), com um grande show de artistas paraenses: o pianista Paulo José Campos de Melo, Fafá de Belém, Pinduca, Chimbinha, Almirzinho Gabriel, Lia Sophia, Nilson Chaves, Liah Soares, Manoel Cordeiro, Felipe Cordeiro, Edilson Moreno, Lucinha Bastos, Arthur Espíndola, Kim Marques, Arraial do Pavulagem, Andreia Pinheiro, Paulo André Barata, Mahrco Monteiro, Banda Xeiro Verde, Juninho Pop, Grupo de Dança Trilhas da Amazônia, Viviane Batidão, Fruto Sensual, Keila Gentil.

No primeiro dia, a programação teve início por volta das 20h, com o descerramento da placa inaugural. Durante a cerimônia, foi exibido um vídeo em homenagem a ex-atletas paraenses de diversas modalidades e ao herói olímpico Guilherme Paraense (1884-1968), primeiro medalhista de ouro olímpico brasileiro, que deu nome à arena. O atleta integrou a primeira delegação brasileira a participar de uma Olimpíada, nos jogos da Antuérpia (Bélgica), em 1920. A equipe de tiro, formada por sete atletas, conquistou as medalhas de ouro, prata e bronze, levando o Brasil ao 15º lugar naqueles Jogos.