Festa no Mangueirão recebe Tocha Olímpica

Uma festa ao ritmo paraense do carimbó recebeu a tocha olímpica em Belém, a 53ª cidade brasileira a assistir a passagem do maior símbolo dos Jogos Olímpicos de 2016.  O lutador Lyoto Machida também brilhou durante a programação. Ele veio a Belém atendendo convite do Governo do Estado e chegou ao Mangueirão acompanhado da secretária Renilce Nicodemos e foi muito saudado pelo público, que aguardava desde as primeiras horas desta quarta-feira, 15, para ver o “Dragão”, como Lyoto é conhecido e também para ver a tocha olímpica. O show com grupo os Baioaras animou a plateia. A primeira tocha foi acesa em Belém por voltas das 13h e Lyoto deixou o Mangueirão cercado por um batalhão de jornalistas e do carinho do público da capital paraense.

Durante a conversa com os jornalistas, Machida disse que estava muito feliz em poder voltar a Belém e principalmente por estar participando de uma grande festa. Ele deixou uma mensagem de incentivo para as crianças e para todos que acreditam no esporte como transformação social. A secretária Renilce Nicodemos foi a primeira autoridade do estado a receber a chama olímpica. Ele foi ao Aeroporto Internacional de Belém nas primeiras horas da manhã como convidada especial do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Emocionada, Renilce agradeceu ao governador Simão Jatene pelo apoio, aos professores da Seel e todos os colaboradores que atuaram direta e indiretamente na realização do evento. “Foi uma festa linda, inesquecível e que vai ficar na memória do povo paraense e da nossa cidade que está vivendo um dia histórico como o de hoje”, disse.

Os primeiros 21 condutores da tocha ficaram concentrados no Mangueirão numa verdadeira celebração da diversidade sócio-esportiva e cultural. Todos ouviram as explicações sobre como conduzir o símbolo e como fazer o tradicional “beijo da tocha”, ou seja, quando ocorre a troca do condutor. Na plateia estavam, além de Lyoto, o mestre do carimbó Pinduca e o índio Nhaket kayapó, que não fala português, além do jovem Marcos Sabino, que veio de Florianópolis para ser condutor em Belém do Pará. “Estou muito nervoso, mas acredito que será uma festa linda. Belém do Pará é uma cidade muito aconchegante”, disse ele, que também ressaltou que saiu do frio de Floripa direto para o calor da Amazônia.

A beleza do balé folclórico do Pará animou o público com números de carimbó, síria, marujada, lundu e xote. “Lindo demais”, diziam os jornalistas que vêm acompanhando a tocha pelo Brasil afora. “Queremos mostrar essa riqueza da diversidade cultural do Pará e da Amazônia”, disse a jornalista Paula Grassini, do Comitê Rio 2016, que organiza a visita da Tocha Olímpica. Para Pinduca , participar da festa é uma alegria singular. “Eu não me preparei fisicamente, mas acredito que farei uma boa passagem pelas ruas de Belém”, disse, sempre solícito e gentil com o assédio do público.

A festa também atraiu gente de todas as idades. Os primeiros a chegar foram os estudantes, os idosos do projeto Vida Ativa da Terceira Idade, os alunos da Fundação Pro Paz, além do grupo de Desbravadores Vozes da Aurora, vinculada à Igreja Adventista do 7º Dia. O grupo atende crianças e adolescentes na faixa etária de 10 a 15 anos com atividades diversas e de valorização da cidadania. Segundo o coordenador Helder Henrique Lisboa, poder participar da festa no Mangueirão foi uma grande oportunidade de ensinar os garotos o sentimento de patriotismo. “Queremos ensinar nossos alunos esse sentimento que anda meio esquecido no Brasil”, disse Rodrigo Santiago, do Zeneth, outro grupo de Desbravadores que esteve no Mangueirão.

O casal de estudantes Vitor Siqueira Rocha, 13, e Maria Vitória Brito, 13, da Escola Municipal Terezinha Souza, do bairro do Castanheira, foi escolhido para participar da cerimônia oficial de acendimento da tocha olímpica. Os dois foram vencedores do concurso de redação da escola. Ao lado de Lyoto Machida, eles receberam a chama olímpica das mãos dos guardiões e depois ajudaram Lyoto Machida a acender a primeira tocha olímpica em solo paraense. O momento emocionou o público.

A tocha olímpica em Belém percorreu 32 quilômetros cruzando as principais ruas, avenidas e pontos históricos e turísticos. Foram 162 condutores no total. As cantoras Fafá de Belém e Gaby Amarantos também fizeram parte da lista de famosos que conduziram a tocha. O  Portal da Amazônia foi o palco do encerramento da festa em Belém. Da capital paraense a tocha seguirá para Macapá (AP) e depois volta ao Pará para Santarém e Alter do Chão, onde também será recebida com muita festa e manifestações culturais.