Equipe de projeto sócio-esportivo vai disputar campeonato suburbano

O time do projeto “Bom de escola, bom de bola” pode disputar final do Campeonato Suburbano categoria sub-18 programado para este mês de dezembro. O projeto é vinculado à Associação Recreativa, Esportiva, Cultural e Ambiental São Pedro, que atua em várias frentes os bairros de Atalaia, Águas Lindas e o Loteamento Olga Benário, em Ananindeua. Segundo o presidente da entidade, o servidor público, Newton Monteiro Rodrigues, o critério fundamental para ser atendido no projeto é estar na escola.

“Nós exigimos que a criança ou adolescente esteja na escola, até como uma forma de incentivo à educação e a formação básica desse aluno”, explicou o servidor, após receber o material esportivo que vai garantir a participação do time da reta final de Campeonato Suburbano. “Nós estamos bem, mas precisávamos desse apoio que a Secretaria de Esporte nos deu agora. Quero agradecer a secretária Renilce Nicodemos pela gentileza”, disse o presidente na manhã da última segunda-feira, 1º.

O time da Associação está jogando o campeonato suburbano com chances de classificação à semifinal da competição.  Material esportivo vai dar novo ânimo aos jogadores. São bolas, meias, jogos de camisa, calções entre outros itens que fazem a diferença na apresentação do grupo em rodadas oficiais.  A doação do material feito pela Seel ocorreu por meio da Casa Civil, segundo explicou Newton Monteiro. “A Casa Civil nos ajudou mandando nosso pedido para secretária, que gentilmente liberou nosso material”, disse.

O projeto “Bom de Escola, bom de bola” é mais um que recebe ajuda da Secretaria de Esportes. Em 2015, a Seel atendeu centenas de pedidos da mesma natureza abrangendo os 144 municípios do Pará. A secretária Renilce Nicodemos ainda não fechou o balanço final de 2015, porém tem noção de que o atendimento superou a meta traçada no início do ano. “Temos consciência de que podemos avançar ainda mais e nós estamos prontos para fazer em 2016. A Seel tem potencial para desenvolver ações e auxiliar os que trabalham o esporte como inclusão”, disse a gestora.