Copa Verde 2016: competição será marcada pela sustentabilidade

Em sua terceira edição, a Copa Verde irá fazer jus ao nome, colocando o meio ambiente e a sustentabilidade como base da competição de 2016, primeira com o selo carbono zero do Brasil. O lançamento oficial aconteceu nesta quarta-feira, 20, no hotel Crowne Plaza, em Belém, e contou com a presença do governador Simão Jatene, do presidente interino da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Antônio Carlos Nunes, da secretária de Esporte e Lazer do Pará, Renilce Nicodemos, além de representantes de clubes e federações estaduais.

“Hoje é um dia histórico. Pela primeira vez, estamos lançando a Copa Verde em um dos Estados participantes do torneio. Esta terceira edição será um momento ideal para darmos um passo à frente na área do desenvolvimento social, por isso, também pela primeira vez, o futebol brasileiro terá uma competição que trará consigo uma agenda de sustentabilidade e de respeito ao meio ambiente”, afirmou o presidente em exercício da CBF, Antônio Carlos Nunes.

Ao longo do campeonato, que tem início no dia 6 de fevereiro, serão desenvolvidas diversas campanhas. O objetivo é unir torcidas e clubes em prol da conscientização dos graves problemas ambientais que assolam regiões como a Amazônia e o Pantanal, patrimônios ambientais localizados na região Norte e Centro-Oeste do país. A iniciativa foi aprovada pelo governador Simão Jatene. “Utilizar uma paixão, que é o futebol, como elemento capaz de ajudar a enfrentar um desafio global, que é a sustentabilidade, é fantástico. Unificar conceitos e trabalhar o futebol articulado a um desafio humano, civilizatório, é algo que a princípio já precisa ser festejado”, destacou Jatene.

O governador também ressaltou a importância da escolha do estado para o lançamento da competição. “Fazer este evento aqui no Pará, na Amazônia, é muito significativo, pois essa é uma região que tem como marca o verde. Tenho certeza que essa nova versão nasce, não só como uma boa ideia, pois a Copa Verde é um projeto que já deu certo, mas sem dúvida agora traz um conteúdo novo. Na minha avaliação, é um renascer moderno, que se compreende global e que tem esse potencial de cada vez mais contagiar o Brasil e o mundo com a ideia de preservação”, explicou Simão Jatene.

“Nossa Copa, Nosso Verde” – Durante o evento, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, apresentou as ações socioambientais que serão desenvolvidas, entre elas está a troca de ingressos por garrafas pet, em postos habilitados pela Confederação. Os três primeiros Estados credenciados para participar são: Acre, Amapá e Mato Grosso do Sul.

Outra novidade é o “Cartão Verde”, já utilizado em competições em países como a Itália, autorizado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA). A iniciativa é uma espécie de bonificação para o jogador que tenha praticado um ato de “fair play”, de jogada limpa, de reconhecimento e postura adequada em relação ao adversário e de não violência em campo. “O cartão será utilizado nas transmissões e distribuído aos torcedores, para que eles já se manifestem. Mas devemos pedir autorização da FIFA para introduzi-lo como instrumento do árbitro já no ano que vem”, esclareceu Walter Feldman. O mascote da competição também foi anunciado, será a Arara Vermelha.

A competição ainda tem como objetivo a compensação imediata da emissão de carbono durante o período de realização dos jogos por meio do plantio de árvores. “A ação tem a orientação da ‘Carbon Free’ (organização do terceiro setor que busca contribuir para a melhoria dos serviços ambientais) e já entramos em contato com o governo de São Paulo que já se comprometeu a assumir a cota verde desse ano, que produzirá mais de 200 mil toneladas de CO2. Esperamos que nos próximos anos, outras estruturas públicas ou privadas possam nos ajudar na compensação”, pontuou o secretário.

O vencedor da Copa Verde também receberá dois troféus: a taça convencional e um prêmio vivo, uma árvore da flora brasileira que será plantada na sede ou no Centro de Treinamento do clube vencedor. A espécie será definida pelo próprio clube. “No campo, que vença o melhor, e que fora dele possamos dar o grande exemplo de preservação da natureza e da valorização de bem comum”, finalizou o presidente da CBF, Antônio Carlos Nunes.

Competição - A Copa Verde será disputada por 18 clubes de 12 estados do Centro-Oeste e Norte. Na etapa preliminar, serão decididas as duas últimas vagas para a primeira fase. O primeiro confronto será entre Fast Clube (AM) x Águia de Marabá (PA), que jogam nos dias 6 e 17 de fevereiro, e Brasília (DF) x Vila Nova (GO), em partidas marcadas para 17 de fevereiro e 2 de março. Também participam da competição, Paysandu (PA), Remo (PA), Rio Branco (AC), Santos (AP), Aparecidense (GO), Comercial (MS), Cuiabá (MT), Espírito Santo Futebol Clube (ES), Gama (DF), Genus (RO), Interporto (TO), Luverdense (MT), Náutico (RR), Naça (AM).

Também participaram do evento o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho; os deputados federais Arnaldo Jordy, Roberto Góes e Vicente Cândido; o vice-governador do Estado do Amazonas, Henrique Oliveira; o deputado federal e diretor de Assuntos Internacionais da CBF, Vicente Cândido; os assessores da presidência da CBF, Fernando Costa e Gilberto Barbosa; o gerente de competições da CBF, Manoel Flores; a secretária extraordinária de Integração de Políticas Sociais (Seeips), Izabela Jatene, entre outros secretários de Estado e município.

Texto: Lidiane Sousa / Secretaria de Estado de Comunicação

Foto: Antonio Silva / Agência Pará de Notícia