Clássico Re x Pa é declarado patrimônio cultural de natureza imaterial do Estado do Pará

O Re x Pa, clássico mais jogado do mundo com 737 partidas, foi declarado pelo Governo do Estado como patrimônio cultural de natureza imaterial do Estado do Pará. A novidade saiu por meio da lei 8.358, de 2 de Maio de 2016, sancionada pelo governador Simão Jatene e publicada no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira, 4. A proposta foi deputado estadual soldado Tércio (PROS). Agora o Re x Pa se iguala ao Círio de Nazaré, ao ritmo do Carimbó e às festividades do Glorioso São Sebastião, da Região do Marajó, que já detêm o mesmo título. A nova lei se soma aos festejos de aniversário de 12 anos do Estádio Olímpico do Pará Edgar Proença – Mangueirão, palco do último jogo entre Remo e Paysandu, no dia 23 de abril, valendo pela semifinal da Copa Verde, quando o Paysandu venceu o rival por 4 a 2, diante de público e 24.167.

Segundo o histórico do futebol paraense, o clássico já foi disputado três vezes em Paramaribo, no Suriname. Em Belém, foram 723 partidas valendo pelo Campeonato Paraense, Copa Verde, Campeonato Brasileiro, Copa da Amazônia, e entre muitos amistosos. O Re x Pa é considerado orgulho dos torcedores paraenses e sempre envolve uma multidão de pessoas que atua na organização da segurança, trânsito, acesso ao estádio entre outros cuidados.

O primeiro jogo entre Remo e Paysandu foi realizado em 14 de junho de 1914, com vitória do time azulino por 2 a 1, no estádio da firma Ferreira & Comandita, onde hoje está erguida a Curuzu. A maior goleada do Paysandu sobre o rival Clube do Remo ocorreu no dia 22 de julho de 1945, com um placar de 7 a 0; já a goleada do Leão foi 7 a 2, em 5 de março de 1939.

O Clube do Remo ainda é dono da marca de 33 jogos sem perder para o seu rival e um tabu histórico de 5 anos invicto. Ainda segundo o histórico do futebol paraense já foram realizados 737 jogos com 1.873 gols. O Clube do Remo tem 256 vitórias com 937 gols, já o Paysandu tem 231 vitórias com 936 gols. O clássico já terminou empatado 250 vezes.

 *Com informações do DOL e Ioepa