Atletas fazem assinatura de adesão ao Bolsa Talento

A titular da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), Renilce Nicodemos, comandou hoje (20/09) de manhã, no estádio Mangueirão, a cerimônia de assinatura do termo de adesão de atletas contemplados pelo Programa Bolsa Talento - ano base 2013. A lista dos atletas contemplados com a concessão da bolsa de incentivo financeiro foi divulgada pela Seel no dia 25 de agosto, com 145 atletas selecionados. Entre estes, 66 ganharam direito à Bolsa Nacional e irão receber mensalmente R$ 1.018,67. Os 79 selecionados para Bolsa Estadual irão receber R$ 679,12.

A Secretária e técnicos do Departamento Técnico de Esporte e Lazer (Dtel) da Seel orientaram os atletas durante o procedimento das assinaturas. Dos 147 atletas selecionados, apenas 77 assinaram hoje o termo de adesão. Quem ainda não assinou ou quem ainda falta entregar algum documento para oficialização da adesão, tem prazo até sexta-feira, dia 23 de setembro, para comparecer na sede da Secretaria e regularizar sua situação.

Além dos 147 atletas já selecionados, a Seel ainda vai contemplar outros esportistas com edital complementar do Bolsa Talento - ano base 2013. O prazo para entidades desportivas do Pará inscreverem atletas para este edital vai até as 14 horas desta sexta, dia 23. O edital complementar é destinado a atletas, paratletas e guias que alcançaram resultados expressivos em 2013 e que, após terem sido indicados por suas federações ao edital do Programa, não entraram na lista dos habilitados e que atendem aos critérios técnicos dispostos neste Edital. A quantidade de bolsas destinadas ao processo complementar está vinculado à disponibilidade orçamentária da Seel.

O critério para se tornar atleta do programa é o ranking construído a partir dos relatórios enviados pelas federações à Seel, gestora do programa. A seleção é feita pela comissão de avaliação do Programa Bolsa Talento e leva em conta os resultados obtidos pelos atletas no ano de cada edital. O Bolsa Talento foi criado em março de 2008 pelo Governo do Estado do Pará como forma de estimular o desenvolvimento físico, social e psicológico de atletas contemplados em modalidades olímpicas, paralímpicas e amadoras. A partir do projeto foi possível manter e aumentar o número de atletas que representam o Pará em competições regional, nacional e internacional.

A Bolsa Talento é concedida aos atletas que preencham a critérios técnicos, considerando resultados obtidos em competições nacionais e estaduais. Para a categoria estadual, são selecionados nas modalidades individuais os atletas inscritos que participaram da principal competição estadual realizada pela Federação da sua modalidade esportiva e se classificaram entre os três primeiros colocados. Para categoria nacional, são contemplados nas modalidades individuais os atletas inscritos que participaram da principal competição nacional promovida pela Confederação da sua modalidade esportiva e que se classificaram entre os seis primeiros colocados. Nas modalidades coletivas, o atleta é indicado individualmente e não a equipe a que ele pertence.

Os atletas podem participar mediante indicação da Entidade de Administração do Desporto à qual pertence. As indicações serão efetuadas mediante ofício timbrado da Entidade especificado no Edital do programa. As indicações de atletas, paratletas, técnicos e guias para o processo seletivo são feitas pelas Entidades Estaduais de Administração do Desporto, e na sua ausência estas são substituídas pela Entidade Nacional de Administração do Desporto da respectiva modalidade esportiva. Cada Entidade de Administração do Desporto poderá indicar no máximo 10 candidatos.

O Dtel da Seel informa que, assim que for finalizado o processo de contemplações de vagas restantes ofertadas pelo Edital Complementar do Bolsa Talento - Ano Base 2013, o Departamento de Programas de Seel irá finalizar o processo do Edital do Bolsa Talento - Ano Base 2014. Em seguida, a Secretaria vai buscar rever e atualizar a Lei 7.119, de 31 de março de 2008, que cria o Bolsa Talento, devido ao fato de que já existem novas competições olímpicas que não estão previstas pela lei.

Para Rafael Brito, atleta da equipe Associação dos Deficientes Físicos do Pará/ ADFPA, a inclusão no programa é fruto de muita dedicação: “Estou no Bolsa Talento desde 2010, devido a um resultado que conquistei depois de 13 anos de muito treinamento e dedicação. Eu consegui uma vaga na seleção brasileira sub 20 e através desse resultado entrei no Bolsa. Para mim o Bolsa é de grande importância, é um reconhecimento pelo meu trabalho e muitas vezes precisamos de incentivo ou até mesmo material para treino. Esse apoio só vem a somar com o atleta. Agradeço de coração as lideranças do Bolsa Talento pelo trabalho que estão desempenhando, eles não medem esforços para que momentos como o de hoje aconteçam. Em nome da equipe da ADFPA, eu agradeço à Seel  pelo apoio e por nos ajudar a manter o nosso trabalho e nos incentivando para conquistar mais e mais títulos para nosso Estado.”

Rafael Brito (centro) afirma que a sua inclusão no Bolsa Talento é fruto de sua dedicação ao esporte paralímpíco

Mário Nunes, atleta de Ginástica Artística e Aeróbica do Centro de Ginástica do Pará, faz parte do Bolsa desde o edital do programa de 2012. Para ele, o Bolsa representa um grande estímulo à carreira esportiva: “A importância do Bolsa talento para o incentivo de um atleta é muito grande, por que muitos não tem patrocínio de nenhum lugar. Então, com o Bolsa, a gente consegue manter o nosso esporte, viajar, pagar hospedagem, e para um atleta que não tem nada isso se torna muita coisa.  O programa nos estimula, aqueles atletas que já estavam desestimulados devido às dificuldades diárias, ficam renovados e já pensam no próximo ano em ganhar a Bolsa e trazer mais resultados para o nosso Estado e para a Seel, que é uma instituição que apoia os atletas, não só na questão do Bolsa como em outras ocasiões.”

Wilson Azevedo, pai da nadadora Jéssica Pantoja, da Tuna Luso, falou sobre sua experiência no “paitrocínio”: “O projeto é de grande ajuda, principalmente para mim que sou pai de atleta, que bancava todas as viagens, alimentação, hospedagem, material de treino, que é muito caro. Então, o Bolsa Talento veio para ajudar mesmo. O evento de hoje veio para coroar essa ajuda que o governo está dando para os atletas. Agradeço à Secretária Renilce pelo incentivo, principalmente para o esporte amador que é pouco valorizado.”

Victor Hugo Figueiredo, da equipe de atletismo do Pará Clube, ressaltou a importância da ajuda financeira: “Eu sou atleta desde 2008 e para mim o Bolsa é muito importante, porque antes de entrar no Bolsa, eram os meus pais que custeavam meu trabalho, e o programa veio para nos ajudar, tirar o peso de cima dos meus pais. Pra gente é uma grande honra esta na presença da Secretária Renilce, nos dando apoio e isso é de grande importância para os atletas.”

Victor Hugo Figueiredo durante a assinatura do termo de adesão, com Nizomar Carneiro, da Dtel, e a Secretária Renilce Nicodemos

Frontini Cunha, presidente da federação Nipo-Brasileira de Jiujitsu, comemorava a seleção de seis atletas indicados ao programa: “É um prazer enorme estar aqui em um evento como esse de valorização dos nossos atletas paraenses. Eu, que sou presidente de uma federação de jiu-jitsu aqui no Estado,  me sinto muito agradecido, porque dos dez atletas que apresentamos à Seel, seis foram contemplados. E a felicidade maior é pelo meu filho, que conseguiu o apoio pela segunda vez. Então, estamos felizes por saber que nosso trabalho esta sendo reconhecido pelo Estado. Agradeço à Secretária Renilce por não medir esforços em ajudar nossos atletas e ao governo do Estado por tudo que tem feito ao esporte paraense. Hoje, no jiu-jitsu, temos  vários campeões brasileiros e mundiais, e isso é graças ao incentivo do Estado”.

Secretária Renilce Nicodemos com Frontini Cunha, presidente da federação Nipo-Brasileira de Jiujitsu

 

TEXTO E FOTOS: ANTONIO DARWICH (ASCOM/SEEL)