Atletas e paratletas do projeto Dorinha brilham em campeonatos nacionais

Duas atletas e duas paratletas de judô do Projeto Dorinha voltaram com medalhas de campeonatos nacionais. O projeto é desenvolvido pela Associação Souza Filho de Artes Marciais e atende crianças e jovens com deficiência e em situação de risco. O projeto é mantido com o apoio da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel).

Lilian Amaral dos Santos, 20 anos, faixa preta, foi vice-campeã sênior da categoria -57 kg, no Campeonato Brasileiro Sênior de Judô, disputado em Lauro de Freitas, na Bahia. Com este resultado, a judoca foi convocada para a I Seletiva Olímpica para Tóquio 2020, da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), que será em janeiro de 2017 em Osasco.

Lilian começou a treinar há 13 anos, no Amapá, onde nasceu. Ela veio para Belém em busca de mais oportunidades no esporte. “Desde que eu comecei a treinar, amadureci bastante, tive que me acostumar a viajar e viver em lugares diferentes, a ter responsabilidade de treinar e ter foco. Eu fiquei muito emocionada de ter convocada para a seletiva. Falaram que eu não conseguiria, mas eu consegui e estou muito feliz”, disse.

Ana Beatriz Pinto, 17 anos, faixa marrom, foi vice-campeã da categoria sub-18 nos Jogos Escolares da Juventude e ficou em quarto lugar na Seletiva Nacional de Base 2017, que ocorreu no dia 27 de novembro, em Lauro de Freias (Bahia), onde se classificou para o Meeting, que é uma seletiva entre as oitos primeiras colocadas e que será disputado em janeiro. A somatória dessas duas seletivas selecionará para o Circuito Europeu 2017.

Vitória Batista Vale, 12, é faixa amarela de judô e foi campeã da categoria -48kg, das Paralímpiadas Escolares, que foi em São Paulo, nos dias 22 a 25 de novembro. Esta foi a primeira vez que a paratleta participou da edição nacional do evento. Para Vitória, o esporte significou uma vida nova. “Eu comecei a treinar com quatro anos e quando comecei era muito ‘respondona’ e desobediente. Hoje, eu tenho mais disciplina e sou mais responsável. Tanto que esta foi a primeira vez que eu viajei sem a minha mãe e foi uma experiência muito bacana. Ano que vem vou continuar me esforçando cada vez mais”, afirmou.

Larrisa Silva, de 17 anos, foi convocada recentemente para treinar com a seleção brasileira de judô, pela Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV). “Logo que eu recebi a noticia eu não acreditei. É uma realização muito grande, eu sempre almejei chegar na seleção. Este é o primeiro passo para ir para Tóquio, que é o meu objetivo. Estou bastante feliz”.  A paratleta viaja para São Paulo no próximo dia 4 para participar da primeira fase de treino. A estreia de 2017 está marcada para março de 2017, no Parapan.

Larrisa participou das Paralímpiadas Escolares, em novembro, e foi bronze no individual e prata no absoluto, até 57kg. Das quatro vezes que participou das Paralímpiadas Escolares, este foi o melhor resultado.  “A minha participação nas Paralimpíadas Escolares deste ano foi a melhor de todos os anos, mesmo que não tenha conseguido o ouro; 2016 foi o meu último ano participando devido à minha idade e finalizei bem a minha participação nas paralimpíadas”, avalia a judoca.