Prova Bujaru de Mountain Bike apresenta seus grandes vencedores

Às 13h30 deste domingo (17) a dupla de amazonenses Cássio Augusto e Jefferson Pereira atravessou a linha de chegada da prova Bujaru de Mountain Bike da Associação Esportiva Outdoor Challenge, no quilômetro 33 da Alça Viária. Antes disso, foram mais de cinco horas de muito suor, força, determinação técnica e superação para vencer os mais de 100 quilômetros do desafio.

O dia começou cedo e agitado e antes da hora da largada – às 8 horas – a movimentação era grande no Balneário da Bica, onde foi montada a base da prova. As trilhas e ramais da zona rural do município de Bujaru se transformaram em pista de competição para 80 ciclistas, divididos em duplas, masculinas, femininas e mistas. O evento teve apoio do Governo do Estado, por meio das Secretarias de Estado de Esporte e Lazer (Seel) e de Saúde (Sespa).

À Seel coube o apoio na infraestrutura, com veículos e montagem de palco e pódios. Sespa agiu com um estande para receber os ciclistas na linha de chegada para atendimentos emergenciais, uma ambulância e, também, com uma caminhonete que acompanhou os ciclistas durante toda a prova.

Esportistas de 15 cidades do Pará, Amazonas, Maranhão, Amapá e Rio de Janeiro participaram e concorreram a R$ 3 mil em prêmios.

Para a dupla amazonense a prova Bujaru foi uma grata surpresa. “Só temos que elogiar essa prova. Tivemos todo o apoio da organização, o trajeto era todo muito bem sinalizado, não tivemos qualquer dificuldade de pedalar pela trilha. O esforço mesmo foi vencer as dificuldades do terreno, o que tornou a prova muito dura”, disse Cássio Augusto, que é de Manaus e forma dupla com o amigo Jefferson Pereira há três anos.

Os dois amigos quase não conseguiram chegar a Belém. “Assim que soubemos dessa prova, compramos as passagens e isso há dois meses. Chegamos ao aeroporto e o nosso voo não mais existia. Esperamos algum tempo, conseguimos embarcar, mas perdemos o congresso técnico, no sábado pela manhã, e algum tempo de descanso”, contou Jefferson. Os dois treinam quando os empregos permitem. “Por isso, sempre falo que somos profissionais atletas, antes das bikes, temos que trabalhar, mas todo esforço é válido”, informou Cássio.

A primeira dupla mista a chegar foi Roselma Neves e Anderson Lopes. E seria até lugar comum afirmar que Roselma é um exemplo de superação. A atleta se recuperou de uma fratura do braço, encarou a prova, mas teve uma queda séria numa das ladeiras e machucou as costas. “Senti muita dor. E pensei muito em desistir, mas é nesse momento que é importante fazer esse tipo de prova em dupla, porque o parceiro te empurra, literalmente, para frente”, contou, divertida, Roselma.

Ponte - Para ter acesso a caminhos inéditos, a organização da prova mapeou o terreno duas vezes, uma de moto e outra de bicicleta. Numas das possíveis trilhas, havia o rio Guajará, que precisaria ser transposto através de "rabetas". Foi quando os organizadores conheceram a vila de São Lourenço e ajudaram os moradores locais a reconstruir os 320 metros de uma ponte de madeira que estava deteriorada.

“Percebemos que essa ponte seria o ideal para a prova. Conversamos com o líder comunitário local e o ajudamos a reconstruí-la. O que acabou nos ajudando bastante e tornou-se um grande benefício às comunidades da região de Bujaru”, explicou o jornalista Alan Cativo, um dos organizadores do evento.

O líder comunitário da vila São Lourenço, Felipe Sales da Silva, de 62 anos, nasceu e sempre morou nesse local. Muito simpático, se mostrava feliz com o ganho que a comunidade recebeu. “Nós já tínhamos uma parte do material. Esses meninos nos ajudaram com mais material, como tábuas e pregos, e eu e meus filhos refizemos a ponte em três semanas. Isso é muito bom para nós, porque quase não mais conseguíamos atravessar para o outro lado do rio”, contou.

“Rodamos cerca de 800 quilômetros em várias viagens à região. Com a reconstrução da ponte, a Outdoor Challenge deixa duas heranças, aos ciclistas que agora têm uma nova região para pedalar, e às famílias de São Lourenço e várias vilas da região, que reconquistaram, com seu trabalho, caminhos mais fáceis e seguros para viver no local”, informou Rubens Campos, da organização do evento.

Os competidores da Prova Bujaru tiveram, além do seguro de prova, ambulância da Sespa e quatro moto-socorristas da Cruz Vermelha do Pará. A equipe da Amazon Outdoor levou mecânicos e serviço de lavagem após a prova. A equipe Ciclor entrou com acessórios e bikes para exposição.

A Associação Esportiva Outdoor Challenge vai promover, ainda este ano, mais duas provas radicais em mountain bike. A próxima será no dia 7 de setembro, em Salinas, e a última de 2015, na ilha do Marajó. A Seel também apoiará as duas provas.

 
Texto: Dedé Mesquita - Ascom/Seel
 
Fotos: Sidney Oliveira - Secom/ Agência Pará
Tags: