Surf na Pororoca chega ao 15º Campeonato em São Domingos do Capim

Aventura, misticismo e a força da natureza, num espetáculo que só acontece nos rios da Amazônia. O 15º Campeonato de Surf na Pororoca começa nesta quinta-feira, 11, no município de São Domingos do Capim, no nordeste paraense, e vai reunir surfistas profissionais e amadores do mundo inteiro. A programação tem apoio da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) com diversas atividades, como o Torneio de Futebol de Areia e Vôlei de Praia masculino e feminino, o Pororoca Figth (MMA) e a grande novidade desta edição: o Surf Noturno. Nesta modalidade os atletas usarão pranchas de surf iluminadas com LED. O equipamento foi fabricado na Espanha.

A Seel organizou em parceria com a prefeitura local uma vasta programação, incluindo torneios esportivos, oficinas, palestras educativas e atendimento na área da saúde. Mais de 100 homens das Polícias Civil, Militar e Rodoviária, Corpo de Bombeiros, Capitania dos Portos e agentes de trânsito do Detran farão a segurança durante o evento. Na sexta-feira, 12, a programação continua com oficina de Pintura Corporal realizada pelo Instituto de Artes do Pará (IAP), que também entrou em parceira com a Seel. No mesmo dia, a atração principal: o esperado Surf na Pororoca, que acontece na Ilha do Tóio e Mirante do Barriga, com a participação do bicampeão mundial de surf, Teco Padaratz.

A previsão da tábua de marés, fornecida pelo Serviço de Sinalização Náutica da Marinha, é que a onda da pororoca alcance três metros e meio de altura. Um grupo de surfistas se lançará pelas águas do rio Capim em busca de manobras arriscadas. Este ano, a Associação Brasileira de Surf na Pororoca (Abraspo), que organiza uma parte das provas do evento, decidiu mudar o modelo criado para competições. Agora, serão apresentadas dez modalidades.

No sábado, os surfistas sairão da orla da cidade em direção ao Igarapé dos Paus. A programação ainda contará com o Campeonato de Canoagem de Maratona Livre para os homens ao longo do rio e para as mulheres a competição acontece na orla da cidade. Durante a noite a festa é comandada pela banda Cavaleiros do Forró.

O Surf na Pororoca encerra no domingo, 14, ainda com programações esportivas e culturais. Pela manhã haverá passeio ecológico de canoagem que limpará as margens do Rio Capim. Um ônibus da Caravana da Leitura e Filmes, da Fundação Tancredo Neves, leva entretenimento para a população da cidade e os participantes do evento. À noite acontece a entrega das premiações, encerrando as atividades com o show da Aparelhagem Búfalo do Marajó, na Arena Pororoca.

O Surf na Pororoca de São Domingos do Capim foi ao ar pela primeira vez em rede nacional no ano de 1997. O programa "Fantástico", da Rede Globo, apresentou ao país a coragem dos surfistas paraenses Noelio e Giovandro Júnior, que enfrentaram as águas revoltas do rio Capim, temidas até mesmo pelos ribeirinhos da comunidade. Desde então, a experiência desafiadora virou febre mundial. Este ano, está confirmada a cobertura do evento por equipes de jornalismo do Japão e da China. “Essa é mais uma grande oportunidade de mostrar para o mundo a nossa peculiaridade que é surfar em um rio. Não podemos ficar de fora e damos o toal apoio para o Surf na Pororoca que este ano ganhou atenção até da mídia chinesa”, comentou o secretário de Estado de Esporte e Lazer, Marcos Eiró.

Uma das lendas que nasceram do fenômeno da Pororoca conta que tudo começou com o namoro de um boto com uma bela índia, às margens do rio Capim. Nove meses depois a índia dava a luz três botinhos chamados “os neguinhos”. Como a índia não podia criá-los na tribo, por causa da cor escura do boto Tucuxi, ela os jogou no rio. Com saudades, os neguinhos voltam todo ano e na alegria do reencontro com a mãe, eles agitam o rio e formam a Pororoca.

Liandro Brito - Ascom/Seel