Seel faz a análise dos inscritos ao programa Bolsa Talento

A Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) está finalizando a análise dos processos dos atletas inscritos no Bolsa Talento, programa de apoio ao esporte amador do governo do Estado. Ao todo, a secretaria estima que cerca de 170 atletas serão beneficiados este ano, mas cerca de 300 se inscreveram e terão seus desempenhos avaliados. No fim deste mês, serão divulgados os nomes dos contemplados.

O programa tem a abrangência 2012-2014, isto é, analisa os resultados dos atletas com base no desempenho deles no ano de 2012. As informações são repassadas à Seel pelas federações de esporte amador do Pará. No fim de dezembro do ano passado, a Seel encerrou os pagamentos dos benefícios com base do ano de 2011.

O Bolsa Talento beneficia praticantes de esportes olímpicos e não olímpicos, nas categorias atletas e paratletas, que recebem mensalmente da Seel uma bolsa para ajudar no custeio de alimentação, transporte, vestuário e outras necessidades para a prática da atividade esportiva. O benefício é pago em doze parcelas. Assim, por exemplo, se a primeira parcela for paga em junho deste ano, a última será repassada em maio de 2015. A permanência no programa é garantida pelo rendimento dos atletas nas competições estaduais, nacionais e internacionais.

O critério para o atleta ser atendido pelo programa é o ranking. As federações esportivas de cada modalidade controlam os relatórios de rendimento do atleta, e os enviam à Seel, que os analisa criteriosamente. Assim, cada federação deve remeter relatórios à secretaria onde é mostrado o desempenho de cada atleta.

Critérios - Nesta fase atual, os técnicos da Seel estão tendo reuniões com os presidentes de federações para ajustar os últimos detalhes, como a ausência de algum dado dos atletas ou algum documento que não tenha sido enviado ainda à secretaria. A cada federação foi solicitada a indicação de dez atletas, mas algumas federações não chegaram a esse número. Por outro lado, outras ultrapassaram essa cota. Por isso, todos os casos são analisados individualmente e com muita atenção. Outro quesito que é visto com critério é se o atleta já recebe outro tipo de apoio, como é o caso da Bolsa Atleta, do Ministério dos Esportes. Neste caso, o atleta não pode se candidatar ao Bolsa Talento da Seel.

Os critérios são ajustados para que não haja injustiça com nenhum atleta. O técnico da Seel Nizomar Guimarães Carneiro trabalha intensamente com as planilhas com os dados dos atletas e diz que o trabalho envolve muitas consultas. “Recebemos os rankings das federações e também avaliamos os resultados de todas as competições que os atletas participam. É um ‘trabalho de formiguinha’, juntando dados aqui e ali, mas que nos dá um total panorama do desempenho desses atletas”, esclarece.

Em novembro do ano passado, 159 atletas de 43 modalidades assinaram o termo de adesão ao programa Bolsa Talento e estão recebendo o benefício, além de um kit com bandeira do Estado, camiseta e botom, que foram entregues no dia da assinatura. O programa Bolsa Talento foi implantado no Pará no ano 2000, com a proposta de estimular o desenvolvimento físico, social e psicológico do atleta, trabalhando com as modalidades semiolímpicas, olímpicas, amadoras e paralímpicas. Com o projeto é possível manter e aumentar o número de atletas que representam o Pará em competições regionais, nacionais e internacionais.

Dedé Mesquita
Secretaria de Estado de Esporte e Lazer