Paysandu vence clássico e assume liderança

Após vitória na final do primeiro turno, Paysandu volta a vencer o rival no Mangueirão, tirar o 100% de aproveitamento e assumir a liderança da competição

Domingo, dia de se divertir, ficar com a família, sair um pouco de casa e ver o time de coração jogando. Foi dessa forma que muito apaixonados torcedores paraenses resolveram aproveitar o final de semana, e para fazer tudo de uma só vez, a decisão foi ir até o Mangueirão na tarde de ontem (17) para assistir ao Clássico Rei da Amazônia, o famoso Re-Pa. E o mais importante, todos estavam confiantes de que os Órgãos Públicos garantiriam a segurança, o lazer e a comodidade necessária para a realização de um grande espetáculo. Não foi diferente. Mais uma vez o esquema da Polícia Militar em parceria com o Ministério Público, por meio dos Tribunais Itinerantes e ordenamento policial, garantiram um jogo tranquilo dentro e fora das quatro linhas.

Com uma organização diferenciada, percebeu-se uma facilidade maior no fluxo dos torcedores, cambistas e profissionais que trabalharam no jogo, a começar pela ordenação das barracas no entorno do Estádio, principalmente as que ficam pela entrada da Augusto Montenegro, permitindo um escoamento ágil dos carros, e liberando uma área maior de estacionamento. O efetivo policial de 935 policiais militares, contou com auxílio de viaturas, motocicletas e foi ampliado em algumas áreas da região metropolitana, onde ocorrem alguns incidentes em jogos desta proporção, o objetivo era claro, evitar confusão em via pública e garantir a segurança de todos.

Dentro de campo o resultado final apontou para vitória alvi-celeste, um sonoro 3 a 1 com direito a “olé” dos bicolores que saíram mais do que satisfeitos com o jogo. Logo no primeiro tempo, o Clube do Remo levou certo domínio das ações, chegava com mais velocidade e gana para tentar abrir logo o placar e tentar jogar a pressão para o lado adversário. Mas não demoraria muito até que o Paysandu tomasse conta das ações e, após bom passe de Vanderson, o lateral Yago Pikachu abri-se o placar no Colosso do Benguí. Com o resultado de 1 a 0 para o Papão, o jogo poderia voltar ao equilíbrio natural, porém, não foi isto que ocorreu, os azulinos estavam irreconhecíveis, errando passes fáceis e pecando na marcação, tudo isso parecia apontar qual seria a tônica da partida.

Ainda no primeiro tempo, após cruzamento na área, o bate e rebate da zaga azulina deixou Iarley chutar e Diego Bispo desviar para o gol, fazendo 2 a 0 para o Paysandu. Ao som do apito do juiz, os times desceram para o intervalo. Na volta, o papão continuou arrasador sobre o arquirrival, logo no começo do certame, Eduardo Ramos marcou o terceiro. A partir daí, o jogo continuou se limitando a troca de passes bicolor, e as tentativas de jogar nos contra-ataques azulinos. O Remo, após algumas modificações, como a entrada do atacante Branco, começou a retomar certo equilíbrio na partida, chegando assim ao desconto. O 3 a 1 já parecia imutável, e de fato foi. Uma partida memorável de um lado, e digna de esquecimento para o outro.

No término da disputa, os treinadores comentaram as atuações das equipes, para Lecheva, técnico bicolor, o Paysandu foi melhor nos 90 minutos do jogo, marcando bem e saindo com qualidade de passe. Já para o azulino Flávio Araújo, faltou a “vibração” característica da equipe ao longo do campeonato, e a palavra de ordem agora é levantar a cabeça e buscar a classificação para tentar o título do segundo turno e garantir a vaga na série D. Com o resultado, o papão assume a liderança do campeonato com 10 pontos, seguido de Remo com 9, Tuna e Paragominas com 6.

Ascom/Seel