Oficina capacita monitores para o ensino de canoagem no Marajó

Com ensinamentos teóricos e práticos, voltados ao desenvolvimento das práticas esportivas de canoagem, professores e monitores oriundos dos municípios de Portel e Ponta de Pedras, no Arquipélago do Marajó, participam de capacitação específica para atuação no Projeto Pará Aquático. Eles ministrarão aulas para crianças e adolescentes, na faixa etária de 7 a 17 anos. A programação, que começou na última segunda-feira (26) e se estenderá até a próxima sexta (28), no Espaço Náutico Marine Club, é resultado de uma parceria entre a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), Federação Paraense de Canoagem do Estado do Pará (Fecaepa) e Argonautas Canoagem.

Professores e monitores recebem informações sobre técnicas de canoagem, considerando as particularidades do esporte e sua aplicabilidade. Na Ilha do Combu, pertencente a Belém, eles tiveram o primeiro contato com essa realidade esportiva. “A nossa intenção é fomentar a canoagem no Estado, já que existe uma grande afinidade da prática com a nossa região”, ressalta a coordenadora do projeto Pará Aquático, Márcia Corrêa.  

A oficina contou com a participação de Hiel Gesã, canoísta multicampeão, natural do município de Bragança (no nordeste paraense), único atleta do Estado com 12 títulos brasileiros – cinco vezes na categoria Sênior, e sete na Master. “É fundamental a troca de conhecimento para que esses jovens possam trabalhar a socialização e a integração, por meio dos treinos de canoagem”, conta Hiel Gesã.

O futuro monitor de Ponta de Pedras, Sérgio Miguel, trabalha há 13 anos na Secretaria de Esporte e Lazer do município, e diz que "é muito gratificante poder dar continuidade a um trabalho que já venho desenvolvendo no município. Estou participando deste curso para aprender mais uma modalidade esportiva e ensinar às crianças e aos jovens”.

Adriano Santana, do município de Portel, também aprova o projeto. Ele faz parte da equipe do Corpo de Bombeiros na região, e pretende ministrar as aulas, para complementar sua atividade atual. “Minha profissão me permite trabalhar na água, e por meio deste projeto posso atuar em parceria com as pessoas, ensinando tanto primeiros socorros quanto a modalidade esportiva”, acrescenta.

Oficina – Os conteúdos teóricos são ministrados em três módulos: Abordagem histórica de canoagem e iniciação à técnica nas modalidades de velocidade e canoa canadense; a canoagem de velocidade, que inclui as técnicas de canoa e remada, e as noções de procedimentos didáticos e primeiros socorros. As aulas práticas visam proporcionar um contato maior com a realidade do esporte aquático, por meio de técnicas que trabalham a coordenação dos movimentos e o equilíbrio.

O presidente da Fecaepa e ministrante da oficina, Evaldo Malato, ressalta a importância dos ensinamentos em canoagem para incentivar a modalidade no Estado. “Este esporte tem tudo a ver com a nossa região, que é banhada por uma imensidão de águas, oferecendo um grande potencial que precisa ser aproveitado, além de mostrar que, através desta prática, é possível promover a integração, resgatar a cultura da região e detectar talentos”, diz Evaldo Malato.

Saúde - Estimular o desenvolvimento de ações coerentes e de forma integrada com as tendências sociais, especialmente na valorização da prática da atividade física como instrumento de melhoria da saúde e qualidade de vida da população, é um dos objetivos da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), com o Projeto Pará Aquático, uma reformulação do antigo Projeto Navegar, lançado em 1999.

O governo do Estado assumiu o compromisso de implantar novos núcleos de canoagem de velocidade, devido ao Pará ser uma região caracterizada por muitos rios, lagos, igarapés e praias. Um potencial que precisa ser aproveitado em práticas esportivas, garantindo a possibilidade de ocupar o tempo ocioso de crianças e adolescentes, por meio de um esporte identificado com a região, como a canoagem.

O projeto deve ser executado por técnicos, professores e monitores treinados nas modalidades, em dois turnos (manhã e tarde), obedecendo à alternância de dias e funcionando como atividade esportiva, complementar e cultural, tendo como processo didático a integração e socialização dos participantes.

Luana Valente - Ascom / Seel

Data: 26/03/2014