Obras do Mangueirão entram na fase de remoção do gramado

As obras para substituição do gramado do Estádio Olímpico do Pará, iniciadas pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) no dia 9 deste mês, chegam à etapa de retirada da massa verde. Na manhã desta sexta-feira, 20, funcionários da Seel trabalharam no gramado, auxiliados por um responsável da empresa ICS Construções, que fará a primeira etapa da obra. A licitação para esses trabalhos foi vencida pela empresa mineira Green Gramados Esportivos.

A primeira parte é a retirada do material argiloso antigo, o que levará 12 dias. Antes disso, o gramado passou por uma espécie de “queima” com herbicidas. Foi aplicado um produto chamado Rund-up, com esta finalidade. Uma análise prévia indicou que a antiga grama fora atacada por um microrganismo que a prejudicava, por isso a necessidade de aplicação do herbicida.

Depois que a área estiver totalmente limpa será colocada areia grossa, que dará suporte à nova grama. Esse material é chamado Top Soil e tem a função de drenar a água da chuva, já que funciona como uma capa selante que ajuda na estabilização e impermeabilização do solo.

As máquinas chegarão a uma profundidade de 15 centímetros, e o material antigo será todo retirado. Num segundo momento, os sistemas de drenagem e irrigação também serão substituídos. E só após a consolidação do solo é que a grama, do tipo Bermuda Celebration, certificada pela Fifa - a mesma que está nas arenas da Copa do Mundo de Futebol, no Brasil - será colocada. Essa grama não é produzida no Pará e chegará a Belém em caminhões refrigerados para evitar as mudanças bruscas de temperatura.

As obras de revitalização do Estádio Olímpico estão orçadas em R$ 5,6 milhões, sendo que somente a substituição do gramado demandará R$ 705 mil, e as obras de manutenção posterior mais R$ 500 mil. A fase de troca do gramado e colocação de nova grama será feita em 45 dias. Na sequência, começa o período de consolidação da nova cobertura. As obras têm um prazo de entrega total de 120 dias. A previsão é que o Mangueirão volte a receber partidas de futebol no fim de outubro deste ano. Ao mesmo tempo em que ganha um novo gramado, o Mangueirão receberá nova pintura e um novo sistema de catracas eletrônicas, cuja licitação já está em fase final, além de um novo sistema de monitoramento eletrônico por meio de câmeras.

Dedé Mesquita
Secretaria de Estado de Esporte e Lazer