Obras do Ginásio Poliesportivo do Mangueirão seguem em ritmo acelerado

 

Na última quarta-feira, dia 16 de julho, após vistoriar as obras da avenida Independência, o governador Simão Jatene seguiu para o novo Ginásio Poliesportivo, que faz parte do complexo do Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão. O ginásio, capaz de ser sede de eventos do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), além de ter espaço para shows e eventos culturais, segue os padrões internacionais de infraestrutura e tem capacidade para 11.970 expectadores e 400 cadeirantes.

A obra – que também obteve recursos via empréstimo junto ao BNDES – segue em ritmo acelerado, e toda a estrutura passa por um rígido controle de qualidade e segurança. O engenheiro responsável pela obra, Luiz Gomes Filho, explica que todas as fundações estão prontas e que, a cada concretagem, é feito teste de resistência e carga.

O ginásio contará com uma quadra, preparada para diversas modalidades esportivas, igual à quadra do Maracanazinho (que fica no Rio de Janeiro), feita de madeira maciça com sistema flexível. O espaço também será completamente climatizado, com cobertura formada por telhas termoacústicas, oferecendo mais conforto para o público. Inicialmente serão 224 vagas de estacionamento para os visitantes. O projeto também abriga áreas destinadas para restaurantes, policiamento e atendimento médico.

O Ginásio Poliesportivo do Estádio Olímpico do Pará segue o mesmo padrão arquitetônico do Mangueirão, mantendo a unidade visual do complexo. O projeto foi aprovado pelo Ministério Público na área de acessibilidade e tem rampas e elevadores de acesso para a arquibancada, tribuna e para as oito cabines de imprensa. A acessibilidade também foi pensada para a área destinada aos atletas, com espaços adaptados e, inclusive, um vestiário específico para pessoas com necessidades especiais.

Por ser um espaço multiuso, que abrigará não apenas eventos esportivos, mas culturais, o ginásio também vai contar com espaço para palco removível e toda a infraestrutura de apoio, como camarins, área exclusiva de acesso de autoridades e artistas, espaço de monitoramento do público e outros serviços. O engenheiro Luiz Gomes Filho conta que várias empresas estão interessadas nesse novo espaço de entretenimento da capital paraense.

O ginásio tem também algumas curiosidades. A estrutura abriga 900 toneladas de aço, 22 mil metros cúbicos de concreto e 92 mil metros quadrados de formas. Estão sendo usadas 750 estacas, que, somadas em linha reta, equivalem a 16 quilômetros, a mesma distância entre o bairro do Bengui e o centro de Belém. Todo aterro retirado da obra é distribuído gratuitamente para as associações comunitárias dos bairros do entorno do Mangueirão.

Bruna Campos
Secretaria de Estado de Comunicação 

Foto: Cristino Martins/ Agência Pará do Notícias