Mangueirão comemora seu 37º aniversário entre os grandes estádios do país

 

O Estádio Olímpico Edgar Proença, mais conhecido por Mangueirão, completou nesta semana 37 anos. Projetado pelo arquiteto paraense Alcyr Meira, em 1969, teve em março de 1978 a sua inauguração. Após a maior reforma já feita desde a sua fundação, recebeu, em 2002, o nome e o status de Estádio Olímpico do Pará.

A obra de revitalização incluiu a retirada da arquibancada popular, conhecida como ‘geral’, que deu lugar à pista de atletismo, palco, desde então, de várias competições que projetaram o complexo esportivo nacional e internacionalmente. Também sediou jogos importantes, que o projetaram entre os melhores estádios de futebol do Brasil.

Foi em 2005, nas pistas de atletismo do Mangueirão, onde são disputadas as provas do Grande Prêmio Brasil da categoria, que o estádio recebeu o recorde de público na América Latina, em competições desse porte, com mais de 40 mil espectadores.

Foi também no Mangueirão que a torcida paraense mostrou para o Brasil e para o mundo o quanto é apaixonada por futebol. Um coro de 45 mil torcedores lotou o estádio e cantou à capela o Hino Nacional, antes da partida válida pelo Superclássico das Américas, entre Brasil e Argentina em 2011.

História - O estádio surgiu do desejo do então governador do Estado, Alacid Nunes, em criar uma praça de esportes com capacidade para 120 mil pessoas. Em 1969, o projeto assinado pelo arquiteto Alcyr Meira começou a dar vida à ideia do governador. Sua construção se iniciou em 1971, mas em 1975 já eram registrados pelos jornais jogos realizados no estádio, que só veio a ser concluído em 1978. Batizado com o nome de Alacid Nunes, tinha, então, capacidade para 45.007 pessoas.

A estreia extra-oficial do estádio ocorreu no dia 20 de fevereiro de 1978, na vitória do Clube do Remo sobre a equipe do Operário (MS), válido pelo Campeonato Brasileiro de Futebol de 1977. Entretanto, a data escolhida para a inauguração do Mangueirão foi o dia 4 de março de 1978, quando a seleção paraense - formada por jogadores de Remo, Tuna e Paysandu - goleou a Seleção do Uruguai por 4 X 0 em um jogo amistoso.

O primeiro gol da história do estádio foi marcado por Mesquita, jogador do Clube do Remo, engenheiro agrônomo, e que, atualmente, é o responsável pela manutenção e cuidados do gramado do Mangueirão. O ex-jogador tem um carinho especial pelo estádio. “Sempre me lembro desse dia, porque foi especial para todos nós. Coincidentemente, hoje trabalho aqui no estádio e desempenho as minhas funções da mesma maneira que fazia dentro das quatro linhas, sempre com respeito e força de vontade”, disse Mesquita.

Os cinco maiores públicos do estádio são: Paysandu 0 x 1 Remo, com 65 mil pessoas, no dia 11 de julho de 1999; Paysandu 1 x 1 Remo, com 64.010 torcedores, no dia 29 de abril de 1979; Paysandu 2 x 0 Fluminense, com a presença de 60 mil pessoas, em 20 de setembro de 1998; Paysandu 2 x 4 Boca Juniores, com 57.930 torcedores, em 15 de maio de 2003; e Remo 1 x 2 Paraná Clube, reunindo 56 mil expectadores, no dia 5 de novembro de 2000.

O primeiro jogo da Seleção Brasileira de Futebol realizado em Belém ocorreu no dia 8 de novembro de 1990, quando a equipe Canarinho empatou pelo placar de 0 x 0 contra a Seleção do Chile.

Mas o Mangueirão é, e sempre será, o palco do clássico Re x Pa, um dos mais emblemáticos do Brasil. O “Clássico Rei da Amazônia” - título dado ao duelo entre os dois grandes clubes do Pará - Remo e Paysandu - é comumente disputado no estádio Mangueirão.

O Mangueirão já foi palco de 179 jogos entre Remo e Paysandu, sendo 64 vitórias azulinas, 48 bicolores e 68 empates. O também chamado "Colosso do Benguí" é a praça esportiva mais adequada para abrigar as duas massas torcedoras de Leão e Papão, conhecidas nacionalmente pelos grandes públicos em dias de clássicos.

Reforma – Atualmente, o estádio está passando por uma série de reformas para melhor servir ao lazer e à comodidade do torcedor paraense. São obras de revitalização e adequações, coordenadas pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), que começaram em junho do ano passado. Os serviços iniciaram com a troca do gramado. Em outubro de 2014, o campo de futebol ficou apto a receber partidas de futebol das séries C e A do Campeonato Brasileiro. Além disso, já foram feitas reformas no telhado e iniciada a pintura interna do estádio. As instalações elétricas de alta complexidade também receberam atenção.

Outras obras já iniciadas visam facilitar o acesso ao Mangueirão no intuito de garantir a segurança do público em geral, e também auxiliar o trabalho da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Após uma reunião na semana passada, uma equipe técnica da Seel, juntamente com os representantes de órgãos públicos, fez uma visita às bilheterias. Na ocasião, foram discutidos os detalhes da fase inicial das obras, que compreende a parte de engenharia civil.

Para este primeiro semestre, o laudos técnicos do Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária e Polícia Militar já foram entregues e o estádio está liberado e apto a receber as partidas do Campeonato Paraense de Futebol e da Copa Verde. No segundo semestre, as partidas serão pela Série B do Campeonato Brasileiro de Futebol, e, se forem solicitadas, também as da Série A, como ocorreu no ano passado, com a partida entre Corinthians e Goiás.

 

Texto: Dedé Mesquita - Ascom Seel

Foto: Agência Pará de Notícias (arquivo)