Crianças participam de clínica de esgrima e luta olímpica do COB

  

Mais de 200 crianças participaram nesta quinta-feira (11) das clínicas de luta olímpica e esgrima oferecidas pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) e o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), na Praça Batista Campos. “Tenho vontade de ser lutadora. Achei bom participar porque nunca tinha conhecido uma atleta, e isso me motivou mais”, disse Joice Taiane, de 11 anos. Ela teve a oportunidade de conhecer e aprender luta olímpica com a boxeadora Adriana Araújo, a baiana que ganhou a primeira medalha olímpica feminina e a centésima para o Brasil na modalidade durante as Olimpíadas de 2002, em Londres. Veja as fotos, clique aqui!

O evento, chamado COB nas Ruas, também atraiu mais de 200 pessoas, que frequentam a praça para praticar atividades físicas. O objetivo da ação foi mostrar para o publico as duas modalidades que vão fazer parte das Olimpíadas Rio 2016. “Somos um espelho para essas crianças. Fico feliz em saber que elas estão indo para o caminho do bem, do esporte, que educa as pessoas tanto na vida pessoal e profissional”, disse a atleta, que deu autógrafos para as crianças e tirou as dúvidas dos pequenos sobre o esporte e até as olimpíadas.

Adriana estava em treinamento em Salvador (BA), para disputar o Campeonato Brasileiro de Boxe, que ocorre em agosto, mas aceitou na hora o convite para vir a Belém. “Primeira vez em Belém e já ouvi de uma criança que quer ser lutadora que nem eu. Elas são bastante interativas, fizeram muitas perguntas. Tiveram uma boa interação com a modalidade e o evento”, comentou. Yuri Montalvão, treinador do paraense campeão de MMA Iuri Marajó, e Igor Alcântara, também lutador, participaram do evento ministrando as clínicas.

Ainda no coreto central da Batista Campos, ocorriam as clínicas de esgrima. Felipe Francês, atleta de esgrima do Rio de Janeiro, orientava o público sobre as regras da luta. “Muito bom ver o Pará aderindo ao esporte, já que aqui não há tradição em esgrima. As crianças daqui têm habilidade, vontade e interesse. Vemos um potencial enorme do esporte se desenvolver”, ressaltou.

Para o titular da Seel, Vitor Miranda, o evento cumpriu o objetivo. “Tivemos um grande público praticando as clínicas e aprendendo um pouco mais das duas modalidades. Algumas pessoas nunca tiveram nem contato com o esporte”, disse, afirmando que a parceria com o COB vai continuar. “Temos que mostrar que o Pará tem bons atletas e devemos motivá-los. Queremos paraenses nas Olimpíadas do Rio 2016”, enfatizou.

Liandro Brito - Ascom/Seel