Concurso de fantasias marca baile do programa "Vida Ativa na Terceira Idade"

 

O que têm em comum personagens como Gabi Amarantos, Carmen Miranda e a cangaceira Maria Bonita, além de serem mulheres fortes, que deixaram seus nomes marcados na história? A resposta pode ser conferida por quem participou, nesta quinta-feira (7), do Baile Carnavalesco da 3ª Idade, promovido pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), na sede campestre da Assembleia Paraense, em Belém. Veja as fotos, clique aqui!

O ponto alto do evento – que reuniu participantes do programa “Vida Ativa na Terceira Idade”, da Seel, além de integrantes de outras entidades que trabalham com os idosos – foi o concurso de fantasias “Rainha das Rainhas do Carnaval”, disputado por 14 candidatas. Para ganhar o título, não faltou criatividade: as fantasias se inspiraram nas personagens citadas acima, entre outras. Ao final, a vencedora foi a representante da Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz), Maria Lina de Oliveira, de 70 anos. A primeira princesa foi Maria Lúcia e a segunda princesa, Adriana Moura, do município de Barcarena.

Com a fantasia “Africana” – uma homenagem à influência africana na cultura paraense e brasileira –, Maria Lina foi escolhida pelo corpo de jurados e vibrou muito com a vitória. “Estou muito feliz, chegar até aqui era tudo o que eu queria. Se tem uma coisa que me traz alegria é dançar”, disse, logo após ser eleita. A idosa, que mora no bairro do Umarizal, contou que na entidade que representou no concurso, a Abraz, pratica atividades como ginástica e dança. “Só nesta semana do concurso perdi três quilos”, revelou. Ela recebeu a faixa, da vencedora do ano passado, Rosilina Azevedo, que também desfilou para se despedir do reinado.

Segundo o secretário de Esporte e Lazer do Estado, Marcos Eiró, o programa “Vida Ativa na Terceira Idade” tem como objetivo oferecer atividades de esporte, lazer e saúde para pessoas com idade a partir de 50 anos. Para isso, basta se inscrever em um dos polos espalhados pela cidade. Atualmente, esses polos funcionam em clubes, como Tuna Luso e Remo, e outros pontos, como o Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão. “O que estamos fazendo hoje é um grande momento de congregação entre as entidades do Estado que trabalham com a terceira idade e uma homenagem a esse público”, destacou.

Já a coordenadora do programa, Kátia Rocha, explicou que, anualmente, o “Vida Ativa”, que já existe há 12 anos, atende a cerca de 2,5 mil pessoas, as quais participam de atividades esportivas em modalidades como natação, hidroginástica e alongamento, entre outras, como xadrez, dança e oficina de artesanato. Elas também contam com acompanhamento psicológico e nutricional. “O que nós percebemos é que as pessoas que participam do programa passam a ter uma melhora na qualidade de vida e na autoestima, o que está diretamente ligado às atividades físicas orientadas”, frisou.

A idosa Darci Vieira comprova o que diz Kátia. Aos 78 anos, pratica, no núcleo da Seel que funciona no Mangueirão, natação, hidroginástica, alongamento e dança. Ela diz que o programa “Vida Ativa” mudou a sua vida para melhor. “Eu tinha acabado de fazer uma cirurgia de câncer quando conheci o programa. Me recuperei e comecei a participar. Para mim, significa saúde e juventude. Eu adoro dançar, mas gosto muito de viajar também. Lá, nós também fazemos passeios e viagens”, comemorou a idosa, que representou a Seel no concurso de “Rainha das Rainhas”, com uma fantasia em homenagem à cantora luso-brasileira Carmen Miranda.

O promotor de Justiça de Defesa dos Deficientes e Idosos, Valdir Macieira, representou o Ministério Público do Estado no evento e parabenizou a Seel pela iniciativa. “Carnaval não significa apenas diversão, mas também inclusão social. E todos têm direito ao lazer, diversão e felicidade. Por isso, este evento é tão importante. Desejo que todos aproveitem bem”, ressaltou, no início da festa.

Elck Oliveira - Secom