Campeonato Brasileiro Master de Natação tem quebra de recordes e revela talentos

  Eles estão sempre apressados, agitados e por todos os lados. Conversam entre si, sorriem, mas não deixam de conferir as provas na piscina e nem o placar eletrônico. Eles são os competidores do 53º Campeonato Brasileiro Masters de Natação, uma promoção da Associação Paraense Master de Natação (APAMN), ligada à Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, com apoio da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), que se iniciou na sexta-feira, 2, e se encerrou neste domingo, 4.

Muitos saem da piscina reclamando que não foram bem na prova. “Não consegui largar bem”, diz um. Uma outra senhora, que aparenta ter 70 anos, deixou rapidamente o atendimento médico na ambulância que fica de plantão ao lado do Parque Aquático, e se dirigiu à piscina. “Minha amiga vai competir agora. Vou dar força a ela”, informou.
Nadadores de todo Brasil estiveram em Belém para competir nas provas de natação no Parque Aquático da Escola Superior de Educação Física, no bairro do Marco. A competição contempla atletas da categoria máster, com idades entre 20 e 90 anos. A Seel entrou com apoio na infraestrutura do evento, disponibilizando itens como sonorização e tendas, entre outros.
Cerca de 350 atletas participaram das competições, em piscina olímpica de 50 metros, com 10 raias. A maior delegação é da APAMN, com 84 competidores, seguida pela Unami e do Fluminense Futebol Clube, do Rio de Janeiro (RJ), com 25 atletas cada uma.
Até o final da manhã de sábado, 3, a pontuação do campeonato e o quadro de medalhas era liderado pela APAMN, que havia obtido 4.242,50 pontos, com 249 medalhas, sendo 58 de ouro.
Recordes
O campeonato contou com muitas quebras de recordes, com destaque para o atleta Yuri Andrew Freitas Costa, da BT Belém (PA), que bateu o tempo na prova de nado de costas, estabelecendo assim um novo recorde mundial dessa prova na categoria. Cerca de 15 recordes sul-americanos também foram quebrados.
Um dos atletas mais celebrados da competição é Antônio Nogueira de Sousa, o “seu” Nogueira, de 85 anos. A vitalidade dele coloca no chinelo muitos jovens. Ele conta que até os 47 anos fumava e bebia muito, chegando a ter problemas com o alcoolismo. Decidiu mudar de vida e enveredou pelo esporte, passando pelas corridas, futebol e voleibol. Aos 65 anos, descobriu a natação e se realizou mais completamente.
Nogueira, até o final das provas na manhã de sábado, já havia ganhado cinco medalhas, sendo duas de ouro. Mas ele também compete fora do Estado e já participou de campeonatos importantes como Pan-Americano, no Rio de Janeiro, em 2011, onde ganhou a medalha de bronze na prova de 100 metros/peito. No início deste ano, no Campeonato Brasileiro, em São Luiz (MA), foi medalha de prata nos 100 metros/livre.
O idoso não para um minuto sequer. Ele também é atleta do projeto “Vida Ativa na Terceira Idade”, da Seel, no polo da Tuna Lusa, onde pratica voleibol. Mas a paixão de Nogueira são as piscinas. “Se não fosse o esporte e a natação eu não estaria aqui para contar a minha história. Não coloco um cigarro na boca há 14 anos. Isso é qualidade de vida, mas acredito que o melhor para viver bem é não se aborrecer, esquecer esse ‘tal’ de estresse”, ensina.
Para Ernesto Herrera, coordenador geral do campeonato, a competição cumpriu com o seu objetivo. “As provas são em nível nacional, o que traz oportunidade aos nadadores paraenses máster de ter um intercâmbio técnico e cultural, visando a prática da natação e a formação de novos atletas, com melhoria da qualidade de vida deles”, disse.
As próximas atividades promovidas pela APAMN serão o campeonato Paraense de Master em Piscina Curta, em agosto deste ano, no Parque Aquático do Clube do Remo; em outubro, o Circuito de Master, na Tuna Luso; e o XXI Campeonato Paraense de Master, em novembro, no Parque Aquático da Escola Superior de Educação Física.
Dedé Mesquita
Secretaria de Estado de Esporte e Lazer