Atleta paraolímpico paraense é exemplo de superação

Foto: Bruno Lins e sua mãe, Socorro Alencar.

Superação. Esta é a palavra que melhor define a trajetória de vida do jovem Bruno Lins, 27 anos, que ao nascer apresentou um quadro grave de insuficiência respiratória icterícia (falta de oxigenação no cérebro) e foi desenganado pela equipe médica do hospital. “A médica que estava de plantão chegou a nos informar que ia deixar o atestado de óbito do meu filho pronto, pois, disse que ele só ia resistir por mais algumas horas”, conta Socorro Alencar, mãe de Bruno. Pouco tempo depois desta conversa, Bruno começou a reagir e apresentou uma melhora inesperada. “Foi aí que eu vi o quanto meu filho era forte e guerreiro”. Vejas fotos, clique aqui!

De lá para cá, Bruno passou por várias etapas de superação. Deixou o hospital com um quadro de paralisia cerebral e ficou sem andar por muito tempo, até que quando completou 10 anos de idade, deu seus primeiros passos graças ao tratamento feito na Equoterapia da Polícia Militar. “Digo para todos que comecei a andar pelas patas de um cavalo”, lembra o jovem.

Bruno foi um dos primeiros pacientes da turma de equoterapia e até hoje participa das atividades e dos eventos realizados no Centro de Equoterapia da Polícia Militar. “Ele é um grande exemplo para todos nós. Foi através da evolução dele que passamos a ter mais do que certeza de que é possível aos pacientes com restrições neurológicas conseguirem grandes avanços na vida”, afirma o coronel Raimundo Rayol, coordenador da Equoterapia. Segundo ele, há 20 anos que a PM do Pará mantém este trabalho utilizando a equoterapia que conta com cavalos para ajudar na recuperação de pacientes com paralisia (lesão motora e paralisia cerebral) e problemas neurológicos. Atualmente há 60 pacientes sendo tratados.

Descoberta

Através do tratamento que fez durante mais de 10 anos com a Equoterapia, Bruno, descobriu seus vários dons e se tornou um velocista. Hoje ele é um dos atletas paraolímpico brasileiros e disputa em todo o país provas de atletismo de 100, 200 e 400 metros. “Só tenho a agradecer a todos os profissionais que estiveram do meu lado e foram fundamentais para a minha superação. Espero que assim como eu, muitas outras pessoas tenham a oportunidade de ter esse privilégio e possam vencer na vida”, resume o atleta.

Na próxima semana, Bruno irá para São Paulo, representando o Pará, na disputa da 2° Etapa Nacional do Ciclo de Loteria da Caixa. Ele está sendo treinado em Belém, no Estádio Olímpico Pará, o Mangueirão, por uma professora da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) – a mesma que treinou o campeão paraolímpico Alan Fonteles – o jovem também recebe da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) todo o apoio de passagem, hospedagem e alimentação durante as competições fora do estado. “O apoio do governo tem sido fundamental para que meu filho possa continuar correndo atrás dos seus sonhos”, diz Socorro.

Mas, os planos de Bruno não param por aí. Além de ter o grande sonho de participar das Olimpíadas, o jovem também está traçando um brilhante futuro nos estudos. Aos 27 anos, ele já passou em 8 faculdades. É formado em gestão de recursos humanos e agora está cursando o 6° período do curso de Educação Física. “Até os 10 anos de idade eu não falava, não andava. Na realidade, eu vegetava. Depois do tratamento da Equoterapia, a minha vida mudou completamente. Hoje, sou um atleta, sou formado e estou prestes a me formar em outra faculdade e não pretendo parar por aí”, conclui o jovem.

Bruna Campos – Secom/Ag. Pará