Atleta deficiente leva o Pará para o mundial de caratê na Venezuela

Manoel Adelino carrega as medalhas que conquistou nas últimas competições
(Foto: Felipe Saraiva-Ascom/SEEL)

22 anos de idade e uma história de vida que impressiona. Com apenas quatro meses de vida, o carateca paraense Manoel Adelino adquiriu meningite e até hoje tem marcas que são superadas a cada dia, como a deficiência auditiva. Mesmo com a limitação, o esporte surgiu na vida de Manoel trazendo grandes resultados.

Criado em Ananindeua, a relação do menino com o esporte foi, desde cedo, uma relação de superação.

Médicos aconselharam a mãe, Simone de Nazaré Luz Carvalho e o irmão, Danilo Borges, a procurarem a prática da natação como forma de socializar e trazer benefícios físicos para o menino. Mas, engana-se quem pensa que a natação foi onde o atleta mergulhou de cabeça.

Aos 14 anos, o caratê deu carona para Manoel. A academia Paulo Afonso, situada em Ananindeua, abriu as portas para um futuro campeão. Manoel Adelino iniciou os treinamentos com o mestre que dá o nome da academia, Paulo Afonso. A ligação entre professor e aluno rendeu ao mestre a convivência com um exemplo de vida, e ao aluno, fundamentos do caratê. O professor até aprendeu a linguagem de Libras para atender o prodígio carateca.

Os resultados não demoraram muito a aparecer. Manoel Adelino disputou várias competições, inclusive com atletas ouvintes. E, a fim de apoiar o carateca e incentivar o esporte em diversas categorias, foi que Secretaria de Estado de Esporte e Lazer do Pará (SEEL) entrou no caminho do garoto. Há nove meses, ele faz participa do projeto “Fabricação de Ídolos” da SEEL, que garante passagens e recursos para as disputas de campeonatos ao redor do Brasil e do mundo.

Em um desses campeonatos, com a participação de atletas sem problemas de audição, o carateca conquistou a Copa Brasil de Caratê, o que lhe garantiu vaga para a disputa do Sul-Americano de Caratê para Surdos.

No Sul-Americano, o paraense garantiu lugar na seleção brasileira que irá disputar o Campeonato Mundial de Caratê para Surdos, no mês de setembro, na Venezuela.

Em visita a sede da SEEL, nesta quarta-feira (25), o atleta mostrou o orgulho e satisfação de poder representar o Pará e o Brasil durante uma competição de nível internacional. “Fico muito feliz, pois sou o primeiro surdo a elevar o nome do Pará e do Brasil para o mundo e, se Deus quiser, vou voltar de lá (Venezuela) com o resultado positivo”, explicou Manoel.

Além de atleta, o rapaz é acadêmico do quarto semestre do curso de Design Gráfico. Antes, Manoel Adelino cursou Educação Física, curso que ainda pretende concluir.

Ascom/SEEL